Skip to content

CERAQUA – Um marco na aquicultura brasileira

Blog

CERAQUA – Um marco na aquicultura brasileira

Antes mesmo de sua inauguração, o Centro de Referência em Aquicultura e Recursos Pesqueiros do São Francisco – CERAQUA, localizado no município alagoano de Porto Real do Colégio, já é uma realidade.

O projeto CERAQUA, concebido pela Codevasf, foi inicialmente aprovado na I Conferência Nacional de Aquicultura e Pesca, realizada em novembro de 2003 na cidade de Luziânia/GO, pela então Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República – SEAP/PR, hoje Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA.

Considerado essencial para a difusão de tecnologia em aquicultura, em novembro de 2005 a SEAP/PR repassou à Codevasf cerca de R$ 2,9 milhões, visando a implantação do CERAQUA.

Diferentemente das demais estações de piscicultura existentes no Brasil, tanto em relação as do setor público como da iniciativa privada, que atuam com o foco na produção de alevinos para o fomento da atividade de piscicultura, o CERAQUA, além de visar a produção em larga escala de alevinos de interesse econômico e ecológico, é também um centro de prestação de serviços aquaculturais, de ciência e pesquisa, de capacitação e difusão de tecnologia, passando assim a ser um diferencial na atração de investidores para o setor de aquicultura e, dessa forma, preencherá um importante e estratégico elo da cadeia produtiva da aquicultura do baixo São Francisco.

A partir da prioridade adotada pela Codevasf objetivando promover a revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, a Companhia passou a investir recursos adicionais de aproximadamente R$ 6,2 milhões, com o objetivo de tornar o CERAQUA um dos mais avançados centros tecnológicos do país, apto a atender as demandas do setor produtivo. Além disto, em decorrência da avançada degradação do meio ambiente no vale do São Francisco, o CERAQUA será de grande relevância na recomposição da biodiversidade aquática.

Para atender essas necessidades, o CERAQUA está sendo munido de equipamentos laboratoriais de última geração, de infraestrutura produtiva e para pesquisa, de recursos humanos de alto nível nas áreas de: genética, nutrição, patologia, qualidade de água, biotecnologia e de reprodução.

A crise do atual modelo de desenvolvimento mundial tem se mostrado desigual, excludente e esgotante dos recursos naturais. Por sua vez, a degradação ambiental e as desigualdades sociais refletem, como consequência, a insustentabilidade da vida no planeta.

Nesse contexto, a busca da sustentabilidade no uso dos recursos naturais da Bacia do São Francisco, configura-se como caminho possível para reverter o quadro atual de degradação, tornando inadiável a tomada de decisão, objetivando a construção de um novo modelo de desenvolvimento.

Diante dessa perspectiva, enquadra-se a importância do CERAQUA como alternativa de desenvolvimento econômico para o baixo São Francisco, com ênfase na inclusão social e sustentabilidade ambiental.

Outra inovação é o modelo de gestão compartilhada a ser adotado no CERAQUA, inédito no Brasil, que terá carater multi-institucional, cujo tema trataremos em um próximo artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

Mais Comentadas

Veja Também