Skip to content

Antônio Melcop, o fotógrafo de Alceu e Noronha

  • Home
  • Blogs
  • Antônio Melcop, o fotógrafo de Alceu e Noronha

Blog

Antônio Melcop, o fotógrafo de Alceu e Noronha

Durante os recentes festejos em homenagem ao Bom Jesus dos Navegantes, entre milhares de visitantes, Penedo recebeu uma figura que algum atento observador nativo já viu circular na cidade. Câmera fotográfica em punho, barba e cabelos compridos, Antônio Melcop passeia nas ruas da “Cidade dos Sobrados” com olhar de estrangeiro e apurado foco de profissional ‘free-lancer’ que empresta seu talento às capas de discos do cantor Alceu Valença ou aos jornais diários de Recife-PE.

Natural de Olinda, irmã gêmea da capital pernambucana, esse descendente de alemães estudou Fotografia nas universidades federais de Brasília – a primeira do Brasil a oferecer o curso em instituição pública de nível superior e ainda referência no País no ensino da Arte – e de Góias. Durante sua passagem pelo Planalto brasileiro, Toinho – como é conhecido pelos mais próximos – atuou no Correio Brasiliense. De volta a Pernambuco, trabalhou nas redações do Jornal do Comércio e do Diário de Pernambuco, os diários mais lidos e respeitados do Estado.

De Fernando de Noronha à Europa

Fotógrafo de talento, é de sua autoria a galeria de imagens que ilustra o site oficial do arquipélago Fernando de Noronha (www.noronha.pe.gov.br), onde seu sobrinho Gabriel Melcop mergulha para captar imagens subaquáticas. O olhar apurado de Toinho também o levou, por mais de uma vez, até a Europa, selecionado para registrar excursões de artistas pernambucanos como o armorial Antônio Madureira, os frevos do Maestro Spok e a versatilidade do amigo e compadre Alceu Valença, que também tem capas de discos saídas da lente de Antonio Melcop.

Casado com Dayse e pai de Talita, Malu e Vítor, Toinho, 52 anos, é membro de uma família que ‘adotou’ Fernando Antônio Diniz de Andrade durante seu período de estudos em Olinda, cidade natal do médico ‘penedense’ Dr. Fernando, meu pai. As relações de amizade entre as famílias Diniz e Melcop são de longa data e continuam preservadas. Daí que o olhar ‘estrangeiro’ do fotógrafo chega a ser praticamente de um local, dada as visitas que já fez em Penedo, proximidade que facilita a escolha dos melhores planos, ainda que a cada investida novos ângulos venham a ser descobertos, percepção que faz parte da profissão.

Fotos para exposição e material de divulgação

Faço aqui a minha homenagem ao autor de belas imagens, registros que serão tema de uma exposição que está sendo preparada pela secretária de Cultura de Penedo, Eliana Cavalcante, que também utilizará as fotografias de Toinho nos próximos materiais de divulgação da prefeitura, responsável pela contratação do fotógrafo que, além de fazer as imagens relacionadas ao Bom Jesus, saiu às ruas para registrar a cidade.

Eu já vi algumas das centenas de fotos realizadas com ajuda de meu irmão, Alessandro – ‘motorista’ à disposição do fotógrafo durante esse dias – e de Netinho (Fernando Wagner), filho de Alessandro e outro apaixonado por fotografia ( o registro que ilustra esse post é dele, Netinho) que aproveitou a companhia do profissional para aprender mais sobre o assunto. Valeu Toinho e volte sempre, Penedo é sua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

Mais Comentadas

Veja Também