Skip to content

Acusado de estuprar filha dos 7 aos 15 anos é condenado a mais de 31 anos em Alagoas

  • Home
  • Policial
  • Acusado de estuprar filha dos 7 aos 15 anos é condenado a mais de 31 anos em Alagoas

Blog

Acusado de estuprar filha dos 7 aos 15 anos é condenado a mais de 31 anos em Alagoas

Réu iniciou os estupros quando ainda era casado com a mãe da vítima e continuou após a separação (Foto: TJAL)

Após anos estuprando a própria filha, um homem foi condenado, nesta quinta-feira (25), a pena de 31 anos, um mês e 10 dias de prisão, a ser cumprida em regime inicialmente fechado.

A decisão é da juíza Lígia Mont’Alverne Jucá Seabra, titular do Juizado Especial Cível e Criminal e de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Comarca de União dos Palmares.

Os estupros começaram quando a menina ainda tinha sete anos e perdurou até os 15, mesmo depois do divórcio dos pais. No início, o réu teria praticado diversos atos libidinosos com a criança sob grave ameaça e promessas de que não faria novamente. Pouco depois passou a forçar conjunção carnal.

A magistrada Lígia Seabra destacou que em crimes dessa natureza, o depoimento da vítima possui enorme relevância, ante as circunstâncias em que normalmente os crimes sexuais ocorrem às escondidas e longe de testemunhas.

A menina só conseguiu revelar o que sofria para mãe depois que seu padastro insistiu que havia algum problema, já que o comportamento dela era estranho para uma adolescente de sua idade.

Segundo as informações do processo, a vítima não saía do quarto, tinha crises de choro e ansiedade, além de ter tentado suicídio por, pelo menos, três vezes.

“A autoria delitiva resta comprovada com base no depoimento, em juízo, da vítima que afirmou de forma segura e coerente que o seu pai lhe abusava sexualmente, dentro de sua residência e também na casa dele, posteriormente, além de que tais fatos teriam ocorrido por diversas vezes”, frisou a juíza.

Depoimentos

Em sua decisão, Lígia Seabra também destacou que o depoimento do réu apresentou diversos pontos contraditórios, como o de que sua relação com a filha era “mil maravilhas”, alegação desmentida por diversas testemunhas.

Embora tenha dito que a vítima era muito maltratada pela mãe e que elas não se davam bem, o réu também alegou que os relatos dos crimes faziam parte de um plano das duas para se vingarem pela separação, ocorrida 10 anos antes da denúncia.

“É incoerente a vítima possuir tantas desavenças com a mãe, conforme declarado pelo réu, mas se aliar com sua genitora e aceitar iniciar um procedimento criminal tão grave com a finalidade de atingir seu pai para que retornasse o casamento. No mais, a alegação de que as duas possuíam um objetivo de vingança se torna mais paradoxo quando analisado o lapso temporal”, comentou a juíza.

Ainda consta nos autos que o réu era muito violento com a mãe da vítima, tendo a agredido por diversas vezes, inclusive em público, e a ameaçado de morte. Em seus depoimentos, os dois filhos do ex-casal afirmaram que ficaram aliviados com o divórcio dos pais.

Tanto a mãe da menina quanto o irmão não sabiam dos estupros. Ao depor, a mãe disse que, apesar de ter sido um companheiro agressivo, não imaginava que ele seria capaz de estuprar a própria filha.

O processo está em segredo de Justiça para preservar a identidade da vítima e sua família.

 

Fonte: TJAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Lidas

Mais Comentadas

Veja Também