Artigos

João Pereira

João Pereira

Advogado, escritor e atento observador da política

Postado em 16/01/2019 14:59

João de Deus ou do Diabo?

Divulgação
João de Deus ou do Diabo?
João Teixeira de Farias, conhecido por João de Deus

Sabermos que existem duas realidades conflitantes, intrínsecas ao homem, é uma coisa, mas quando alguém acena com uma indiscutível respeitabilidade, em seus afazeres, especialmente quando no campo da espiritualidade, custa-nos acreditar que na obscuridade conviva com o anjo e o demônio. O personagem acima, João Teixeira de Farias, conhecido por João de Deus por suas curas pretensamente milagrosas, encaixa-se perfeitamente numa personalidade que carrega dentro de si, de uma forma latente, o bem e o mal.

Nunca antes tivemos oportunidade de ver seu rosto. Não conseguimos no mesmo vislumbrar uma aura de simplicidade e humildade, gestos compatíveis com a sua missão de curar, levar o consolo e alegria ao próximo. Seu olhar vivo lembra-nos mais de uma ave de rapina e o seu corpo atarracado, bem compatível com um reprodutor, de indivíduo portador de uma incontrolável libido que na sua ânsia de alivia-la chega ao extremo de praticar o incesto.

A história relata-nos, durante as guerras, as mais brutais atrocidades, compreensíveis até certo ponto, uma vez que está em jogo, reciprocamente, a vida do litigantes. Bem diferente é quando alguém considerado depositário de total confiança pela nobre missão de seu ofício, abusa e trai, de forma abominável, da ingenuidade e fragilidade de seus pacientes. O relato de uma das vítimas feito no programa do Fantástico de 16/12/2018, comprova, indubitavelmente, que o João de Deus, divinamente diabólico, pervertido com uma lascívia aprorejar-lhe dos pés à cabeça, ter uma personalidade diametralmente aposta de quem se diz portador de uma missão espiritual. Deslavadamente pede ao pai da moça que fique de costa para que pudesse manipular suas partes intimas. Um canalha despudorado até a medula.

Obscuros são os disfarces do seu curandeirismo. De cara, deve ser descartado o espiritismo que se funda no princípio de que o que recebemos de graça, da mesma forma deve ser retribuído. Certamente a parapsicologia tem condições de desvendá-lo. O que não pode ser descartado, seja qual for o método, é a fé, responsável pelas curas.

Em resumo, diante dessa mistura entre o profano e nada sagrado das atividades pseudo espírita do João patológico, perguntamos: quem é o mentor de seus trabalhos? Seguramente não é uma entidade angelical. Em sentido inverso, face ao crescente número de mulheres que alegam ter sido abusadas sexualmente pelo reprodutor João da lascívia, só pode ser, sem nenhuma dúvida, um anjo taurino que o inspira, inconscientemente, estar predestinado a povoar o universo com a abundancia de seus espermatozoides.

Até o presente, com novos relatos que o apontam como traficante de crianças e cárcere privado, o João não merece a alcunha de Deus, mas de uma figura puramente diabólica.
 

Comentários comentar agora ❯

Alexandre Cedrim

Alexandre Cedrim

Administrador de Empresas e Consultor Organizacional

Postado em 27/12/2018 08:13

O desafio da produtividade

Uma das preocupações de todos os empresários, assim que a empresa inicia suas operações, deveria ser o desempenho produtivo de sua mão-de-obra, pois depende deste recurso intangível a produção esperada pela capacidade tangível instalada.

Mas as empresas que tendem a se preocupar com índices de produtividade, lucratividade, retorno do capital empregado e outros, são as que estão no segmento de média empresa para cima, pois o ambiente competitivo desses segmentos não perdoa as que apresentem índices distanciados da média setorial.

Quando observamos as empresas que estão incluídas nos segmentos de pequena e micro empresa, notamos que uma parcela significante ainda confunde produtividade, que é meio, com o resultado financeiro, que é objetivo, utilizando métodos empíricos como as percepções de seus proprietários, que no geral, não estão erradas, porque, em certos casos, resultam em sobra de numerário.

No universo empresarial encontramos a metodologia de cálculo de vários índices relativos à produtividade como: medir a produtividade do quadro funcional levando em conta o faturamento; a participação individual dos funcionários em relação ao lucro liquido da empresa, porém estas duas e várias outras, estão sempre relacionadas com os registros confiáveis que todas organizações devem ter, independentemente dos registros contábeis que, em muitos casos, não representam a realidade acontecida.

O resultado apresentado, com a utilização do índice de produtividade escolhido e utilizado, representa uma média da empresa, mas como afirmou Delfim Neto, depende como ela será utilizada para melhoria do seu desempenho.

Imaginemos uma empresa com um contingente de 20 pessoas, sendo 10 no setor de produção e 10 nos outros setores, com um faturamento de 10 milhões anuais, A média de produtividade por pessoa, desde que utilize o índice de produtividade por empregado, é de 500 mil, sendo que o setor produtivo apresenta a produtividade média de 1 milhão. Para conseguir um aumento da produtividade no próximo ano, o empresário pode dispor de três ferramentas básicas: 1) diminuir o número de empregados, exceto o da produção, mantendo o resultado apresentado; 2) Modernizar seu parque industrial, no caso de empresa de transformação ou agrícola, conservando inalterado seu quadro de pessoal; 3) Melhorar o desempenho dos empregados através de capacitação e aumentar a produção com a mesma mão-de-obra.

A utilização de qualquer uma das ferramentas anteriormente tratada fará a empresa produzir mais em menos tempo, mas o componente mais importante neste processo é a performance individual dos seus empregados. E esta performa depende principalmente do nível de escolaridade das pessoas admitidas, pois quanto melhor este nível melhores resultados serão alcançados pela qualificação adquirida nos cursos profissionais concluídos.

Voltemos ao micro ou pequeno empresário, que utiliza apenas a sua percepção para medir o resultado final da empresa, ele tomará a decisão correta?

E para finalizar, um trabalhador americano fez o mesmo trabalho de quatro trabalhadores brasileiros; um sul-coreano ou chileno de dois brasileiros; um argentino de um brasileiro e meio.
 

Comentários comentar agora ❯

  • Eduardo Regueira Sábias palavras mas na prática é um pouco diferente em uma econômica instável como a nossa. Parabéns.
  • janaina RESOLUÇÕES DE ANO NOVO: Deixar de fumar, emagrecer, um novo emprego, um novo curso, crescer na carreira ou fazer a viagem com que sempre sonhou. "Ano Novo Vida Nova" Mas como ter uma vida nova mantendo os velhos hábitos? Como fazer algo novo sem aprender uma nova habilidade? As resoluções ajudam a
Alexandre Cedrim

Alexandre Cedrim

Administrador de Empresas e Consultor Organizacional

Postado em 19/12/2018 15:17

O Brasil acima de todos

Divulgação
O Brasil acima de todos
Presidente eleito, Jair Bolsonaro

É intenção do presidente eleito Jair Bolsonaro aceitar a sugestão, do seu super ministro da Fazenda, de implementar a isenção do Imposto de Renda de Pessoas Físicas para que ganha até cinco salários mínimos e a para os ganhos acima desse limite apenas uma alíquota de 20%. Esta medida, caso concretizada, provocará uma perda em torno de R$ 69 bilhões anuais.

Para as pessoas jurídicas a alíquota seria idêntica e a previsão é de uma perda de R$ 34 bilhões na arrecadação anual. Para compensar essa perda deverá ser criada uma alíquota única de 20% sobre os dividendos pagos aos acionistas, atualmente isentos, que deverá promover uma arrecadação de R$ 76 bilhões. Estas mudanças na arrecadação do Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas deveram gerar um déficit localizado de R$ 27 bilhões anualmente.

O déficit primário do país, as receitas menos as despesas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública, previsto para o próximo ano é de aproximadamente de R$ 170 bilhões, que adicionado pela perda da arrecadação prevista com as mudanças do Imposto de Renda, totalizará 197 bilhões, caso a arrecadação não apresente melhoria a partir de 2019.

Estima-se que a sonegação fiscal no corrente ano fique em torno de R 345 bilhões, valor suficiente para absorver as mudanças pretendidas no imposto de renda como também o déficit esperado para 2019 que está previsto para ser de R$ 139 bilhões.

Para diminuir ou erradicar a sonegação fiscal, sendo que sua erradicação é quase que impossível, o governo poderá tomar três medidas fiscais: 1) fiscalização rigorosa; 2) conscientização do contribuinte e 3) diminuição da carga tributária. Na atual situação brasileira a diminuição da carga tributária não é possível, pois o país vem tendo déficits primários há vários anos e a melhoria das atividades econômicas ainda é incerta ou incipiente.

Quanto a uma fiscalização mais rigorosa, os resultados são lentos e a longo prazo, como também necessita de lei que criminalize os sonegadores aprovada pelo Congresso Nacional.

Sobra a conscientização dos contribuintes, mas como a maioria dos votos do presidente eleito foi dos segmento social com ganhos acima de 5 salários mínimos e empresários, está no momento destes eleitores mostrarem na prática a confiança depositada no futuro presidente do Brasil e contribuírem realmente para que ele faça um excelente governo, onde todos serão vitoriosos e seja praticado parte do slogan da candidatura “Brasil acima de tudo”
 

Comentários comentar agora ❯

João Pereira

João Pereira

Advogado, escritor e atento observador da política

Postado em 12/12/2018 08:56

Uma Bela E Repulsiva Mulher

Difícil acreditar que alguém na ânsia de aparecer, pouco importando os meios, seja capaz de cometer uma conduta animalescamente degradante e repulsiva que denigre a própria imagem, ao mais baixo nível que se possa imaginar. O mais inacreditável é que essa pessoa, uma jovem bonita e atraente seja, absurdamente, autora de um gesto que trai seus encantos, rebaixando-a a mais acabada imagem de uma vaca. Sabemos que o racional e o sublime estão inextricavelmente ligados às funções animais. É esquisito e inconcebível, mas assim quis o criador para, com toda probabilidade, não nos sentirmos como semideuses. Acontece que as necessidades fisiológicas costumamos fazê-las reservadamente sob pena de nos igualarmos a cães vadios. A nossa pretensa nobreza é empanada pelo orifício anal.

Com essa introdução, rosto contraído pelo inconformismo e decepção, Carlos Bituca procurava justificar seu asco a uma cena que chegou a causar-lhe incontrolável desejo de vomitar. Está acostumado a ver tantas outras, esquisitas e divertidas, sempre enviadas pelo whatsapp por um amigo viciado a bisbilhotar as redes sociais em busca do insólito. A internet, continuou, excetuado o que é instrutivo, é um amontoado de lixo da pior espécie. É o mais amplo mercado que expõe a síntese do homem desde a grandeza de suas virtudes, à baixaria de sua índole rasteira e abjeta.

Não sou puritano, sou enfático, e tenho aversão ao puritanismo. A minha revolta não diz Respeito a isso, mas a horripilante cena de uma linda mulher transformada num sujo animal. Acontece que tenho dentro de mim uma tendência inata em querer ver na mulher um comportamento avesso a imagens grotescas. Imagino-a sempre com um certo pudor que lhe dá um ar de feminilidade.

Por que, prosseguiu, tantas pessoas são capazes de pagar qualquer coisa para se exibir, mesmo que de uma maneira desprezível? Sem mais delongas, vou dizer-lhe o que assisti. Não tive estômago para ver uma segunda vez. Era uma jovem, provavelmente uma quenga. Aparecia de calcinha e sutiã e começa a despir-se. Tira a peça de cima e logo após a segunda, instantaneamente, escorre por entre as nádegas um forte jato de merda. Inacreditável, meu amigo! Nunca, em toda minha vida, senti tamanha repulsa e nojo por uma mulher. Aquilo não podia ser uma cena humana, especialmente em se tratando de uma bela mulher.

Não estou, desde então, sentindo-me mentalmente bem. A imagem daquela moça, ligeiramente encurvada, a disparar uma saraivada de merda, tornou-se fixa em minha mente. Não consigo ver as mulheres em suas diferenças. Vejo-as, na sua totalidade, iguaizinhas à desprezível personagem em tela. E o pior é que a potência, apagado o charme feminino, diluiu-se como o éter. Necessito de um psicólogo para tentar remover da minha mente aquela imagem da bela e repulsiva mulher, para que possa voltar à normalidade.
 

Comentários comentar agora ❯

Alexandre Cedrim

Alexandre Cedrim

Administrador de Empresas e Consultor Organizacional

Postado em 28/11/2018 16:27

O Brasil Mais Homogêneo

O mapa do Brasil pós eleições para Presidente em 2018 mostra qual a preferência dos eleitores por Estado. Na visualização do mapa, publicados nas mídias impressas e virtuais a partir de 29 de outubro de2018, fica nítido que o candidato do PT foi o preferido na região Nordeste, enquanto nas outras regiões a vitória foi do candidato do PSL.

Enquanto os eleitores do candidato do PSL (a maioria dos empresários estão neste segmento) discutem esses efeitos, fica em segundo plano uma análise criteriosa sobre as causas desta votação no Nordeste, considerando que nas outras regiões, o partido da extrema esquerda, o PT, vem sistematicamente perdendo cada vez mais votos , enquanto na região do Nordeste vem ganhando sempre as eleições.

Quando se olha a realidade salarial da região onde o PT ainda lidera, observa-se que o segmento de maior expressão é das pessoas que ganham até dois salários mínimos, sendo que entre estes a predominância são pessoas que ganham um salário mínimo, que independentemente do tempo de serviço na empresa em que trabalham .continuam com o mesmo salário desde as suas contratações Nas outras regiões, exceto a Norte, devido ao desenvolvimento de suas economias, o segmento dos trabalhadores que estão nesta faixa é diminuto, contrariando o discurso dos candidatos de extrema esquerda que generaliza uma pobreza generalizada no país. Não queremos insinuar que injustiça social não exista, mas não na intensidade utilizada em discurso eleitoreiro.

O Nordeste, infelizmente, destoa da realidade observada nas outras regiões, ficando mais próxima da região Norte e distante das outras, devido ao seu fraco desenvolvimento econômico, identificado pelo elevado índice de favorecidos da Bolsa Família, que se não fosse implementada, a miséria ainda seria pior na região. Some-se a esta realidade a constatação de maior incidência da maioria dos trabalhadores receberem um salário mínimo, que fornece a extrema esquerda o ambiente ideal para ter a maioria dos votos em quaisquer eleições.

Em uma rápida análise dos resultados das eleições, nota-se que o elevado percentual de votos do candidato do PSL é inversamente proporcional a quantidade de pessoas beneficiadas pela Bolsa Família, sendo esta inversão mais acentuada no estado de Santa Catarina. Esta observação sugere que, o desenvolvimento regional favorece aos candidatos de centro direita em detrimento dos candidatos que tendem mais para a esquerda, acentuando-se mais ainda quando os candidatos ficam bastante próximos destes extremos.

Fica então a pergunta: Quem deve fazer ações efetivas para que o Brasil seja mais homogêneo quanto ao desenvolvimento regional? O governo, que é o responsável constitucional, pouco ou nada realiza desde o início republicano apenas apresentando projetos isolados que dificilmente são concluídos; ou os empresários, esquecidos de que suas organizações são sociais e que com menos ganância, voltem a pensar que lucro é resultado e não fim de maior enriquecimento pessoal?

O ideal é que estas duas variáveis sejam realizadas conjuntamente, mas se uma delas for feita de maneira isolada, provavelmente nas próximas eleições não tenhamos o extremismo vivenciado, ficando, os empresários menos preocupados com os resultados, pois a tendência será o esvaziamento dos extremistas.
 

Comentários comentar agora ❯