09 Junho 2021 - 22:31

É falso que relatório do TCU questione número de mortes por Covid-19 no Brasil

Divulgação
Tribunal de Contas da União desmente informação

Circula no WhatsApp a informação de que um suposto relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que 50% das mortes registradas por Covid-19 tenham sido provocadas por outras doenças. A informação é falsa. O TCU se posicionou e esclareceu que seus técnicos não produziram o documento que tem circulado nas redes sociais.

O texto compartilhado é acompanhado de um vídeo da declaração do presidente Jair Bolsonaro com a “antecipação” da informação. “Urgente: relatório do Tribunal de Contas da União, aponta que, do total de mortes registrados em 2020 no país, como Covid-19 — 50% dos óbitos não eram Covid-19. Fraudemia!” (sic), afirma a mensagem.

Além do texto em tom alarmista e da declaração do presidente, também foram compartilhadas imagens de um suposto relatório nas redes sociais. Os conteúdos colocam em dúvida o número de mortes da Covid-19. O Ministério da Saúde contabiliza mais de 474 mil mortes no Brasil desde o início da pandemia, dados atualizados diariamente no site Coronavírus Brasil.

Após a repercussão dos conteúdos falsos, o Tribunal de Contas da União divulgou uma nota em seu site oficial e garantiu que não produziu qualquer relatório com os dados que estão sendo compartilhados no WhatsApp.

Veja a nota na íntegra:

O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que “em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid”, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje.

O TCU reforça que não é o autor de documento que circula na imprensa e nas redes sociais intitulado "Da possível supernotificação de óbitos causados por Covid-19 no Brasil".

Alagoas Sem Fake

Com foco no combate à desinformação, a editoria Alagoas Sem Fake verifica, todos os dias, mensagens e conteúdos compartilhados, principalmente em redes sociais, sobre assuntos relacionados ao novo coronavírus em Alagoas. O cidadão poderá enviar mensagens, vídeos ou áudios a serem checados por meio do WhatsApp, no número: (82) 98161-5890. 

por Agência Alagoas

Comentários comentar agora ❯