Martha Martyres

Martha Martyres

Radialista, diretora da rádio Penedo FM, âncora do jornalismo no Programa Lance Livre

Postado em 23/09/2009 19:23

Passeio na Cidade

Noites dessas percorri as ruas de pedras do Penedo, molhadas pelas pérolas de chuva que brilhavam no parabrisa do meu carro.
Minha Penedo é assim: uma cidade mágica, que emociona e enternece, mas o que vi é de entristecer.
Vi uma cidade sem alma, triste e encolhida como o cão encharcado que atravessou a rua em busca de abrigo.
Uma cidade que espera, melancólica e apática, por dias mais prósperos, onde sua riqueza, gerada pelos que a amam e que por ela, dia a dia, colocam sua força de trabalho em tarefas simples, seja utilizada para a construção de seu desenvolvimento.
Para ver, para sentir, basta observar.
E vejo, observo e sinto a comunidade penedense fragmentada pelo desejo irreprimível de alguns em satisfazer ambições pessoais e inadiáveis.
Uma sociedade açoitada pela indiferença, pelo egoísmo, pela mentira, pela incompetência, pela desonestidade e pela ingenuidade política que permite a proliferação de todos esses males.
Alguns segmentos dessa sociedade, movidos por acordos indecentes, aceitam ser protetores de um câncer que corrói a cidade de forma invisível e compromete o seu futuro.
Nas campanhas políticas, aliás, nessas degradantes campanhas políticas em que se disputa as contas bancárias do município de Penedo, o que mais observamos é a ganância dos que querem servir-se da cidade e não servir à cidade.
Decepcionante, também, é a escassez de lideranças políticas que ofereçam condições para a renovação do comportamento político e ético do nosso povo.
Falta vocação administrativa aos nossos governantes, maior permanência na cidade (sempre que não estiverem em missão oficial, é claro!), contato com os problemas reais da comunidade e não os definidos pelo marketing político desenhado durante a campanha eleitoral ou analisados pelos aduladores de plantão.
Falta caráter, grandeza, a extinção das perseguições políticas que somente comprometem o andamento de projetos que contribuiriam para o tão sonhado desenvolvimento. Falta cortar pela raiz esse exibicionismo de poder político e econômico que alimenta o vedetismo dos sociopatas travestidos de benfeitores.
Não podemos consertar o mundo, nem o Brasil, nem a nossa envergonhada Alagoas, muito menos a histórica e tradicional Penedo, mas devemos lutar, com todas as nossas forças para transformar nossa cidade em um lugar que traduza esperança e desperte, no coração dos nossos filhos, um sentimento inabalável de defesa de seus interesses coletivos.
É verdade que às vezes é necessário gritar, mas isso não é assim tão trágico. Eu, pelo menos, graças aos cuidados de Dr. Fernando Andrade e as orientações do Dr. Geová Amorim, ainda tenho boa garganta e vou continuar usando o microfone para, através da informação, denunciar os desmandos de governos que não passam de ilusionismo institucionalizado.
 

Comentários comentar agora ❯

  • ANITA BRILHANTE O SEU TEXTO.PRÓPRIO DE QUEM TEM SENSIBILIDADE PARA VER ALÉM DAS PAISAGENS.NUNCA VI NOSSA CIDADE TÃO ENTREGUE. ENTREGUE AOS CAPRICHOS, AOS DESMANDOS, AOS INCOMPETENTES DESLUMBRADOS, AO LIXO.REVOLTA O NÚMERO DE CONTRATADOS DEVIDAMENTE FARDADOS QUE DÃO EXPEDIENTE PELAS RUAS DA CIDADE. NO SEU TEXTO VC FALA DE UM PASSEIO QUE FEZ PELA CIDADE. LEMBREI-ME DE QUE DESCENDO UM DIA AO COMÉRCIO, EU E MINHA FILHA, CONTAMOS QUANTOS "FUNCIONÁRIOS" ENCONTRÁVA-MOS PELAS RUAS ÁS 10;30H DA MANHÃ. PASME! 39! 39 PESSOAS DEVIDAMENTE FARDADAS, SAINDO COM COMPRAS DE LOJAS, PASSEANDO PELO COMÉRCIO, NOS PONTOS DE ÔNIBUS, E ATÉ 3 ANDANDO DESPREOCUPADAMENTE TOMANDO SORVETE!!! ISSO ÁS 10:30H DA MANHã!!!!!!!!!! É O FIM DA NOSSA CIDADE.MAS TENHO FÉ QUE DIAS MELHORES E MAIS JUSTOS VIRÃO.CONTINUE NO SEU MICROFONE.DEFENDENDO O POVO DESSA TERRA! PARABÉNS!
  • Antonio Góes Quero poarabenizá-la pela matéria, que vai do saudosismo à falta de compromissos de alguns governantes. - Como penedense, embora radicado ha muito na Bahia, a visito de 3 a 4 vezes ano; sinto saudades de uma Penedo mais alegre, vibrante, limpa, de seus jovens cheios de ideais, de sonhos e esperança. E não era sem razão que era chamada "oberço da cultura", a "Ouro Preto do Nordeste". - "Esperança, sonhos", pelo menos estes, ainda devemos cultivá-los. Antonio Góes - Comunicador 5.307/Ba.
  • Paulo Santos Como um amante das coisas boas de minha Penedo, não poderia deixar de parabeniza-la, por tão bonito desabafo. É claro que fico triste em saber que Nossa tão linda cidade de Penedo está assim. Ao ver Penedo através desse meio de comunicação, logo me vem a lembrança de quando eu, juntamente com alguns companheiros (Guias de Turismo) passava-mos horas, mostrando e falando, as histórias de Nossa querida Penedo, em mim causa uma certa tristeza, pois me vem a saudade e com ela as lagrimas aos meus olhos, precisamos realmente de pessoas mais comprometidas em se dar e fazer, e não no ter e ser. Deixo aqui minhas felicitações a Dr. Helio representado por seu filho o Sr. Ronaldo Lopes e a todos vocês da Penedo fm, pela criação desse meio de comunicação, pois só através dele é que matamos a saudade de nossa terra, hoje estou distante, mais um dia retornarei a minha tão amada cidade (Penedo). TE AMO PENEDO
  • maria helena falcao rebello Excelente matéria. Nascida em Penedo, mas residindo no Rio há muitos anos, tenho saudades de minhas férias, quando adolescente, passadas em Penedo. Éramos jovens alegres, ccm ideais.Na cidade tudo funcionava, cinemas, clubes(jogos de voley no Tenis), festas, carnaval, etc. Hoje fico triste em ler uma matéria que descreve uma Penedo decadente, principalmente politicamente.Parabenizo a rádio por abrir este espaço para acompanharmos nossa cidade tão de perto. Maria Helena 25/9/2009
  • JEAN lENZI Querida Martha, cá estou com queijo e vinho viajando com vc, se viajem fosse longa como Maceió- Penedo poderíamos dizer: SÓCANA SÓCANA SÓCANA SÓCANA BRURURUR. mas é um passeio apenas, curto, então diremos: SACANA SACANA SACANA SACANA HAHAHAAHA;;; Nesta proveta sou um homem de poucos amigos, os poucos que cultivo e que ainda me cativam por alguma razão bastante pessoal, estão calados, todas as barbas estão de molho, com excessão das minhas (porque não tenho), o conformismo, a falta e a ignorância imperam, hoje, sob coroas não mais reluzentes. O povo do Penedo é calmo; e por esta calma tediosa nada agrada, mas nada também se conhece, não consomem, não agitam, não gritam...estão todos a esperar pela tua voz, quantas Marthas de opinião não estão em casa agora gritando abafadamente, e o que elas temem? Elas temem a elas mesmas, temem por sua própria falta de sorte que misturada ao pouco conhecimento (que elas acham ter), tomam o caminho mais fácil: o do silêncio. Daí, a ideia do melancolismo penedense, das tradições apagadas, da elegancia e da superioridade penedense claramente em baixa, Penedo é linda, meus amigos turistas adoram...e só. "Só preserva quem conhece, e quem conhece ama", você e os seus preservam por buscam o conhecimento e o devolve ao povo constantemente com competencia e honestidade; o povo por sua vez, que tem o conhecimento fecha-se em sua santa passividade, por um enfeitiçamento, por uma nojenta hipocresia geral ninguém quer confirmar que percebe, ver e vive estes conflitos diariamente. E quem percebe, ver, e vive; ou seja você, ou até mesmo eu, somos todos pois, MALUCO BELEZA.
  • ISABE BARROS Brilhante exposição Martha, quizera ter o dom de sensibilizar com palavras osentimentos como você! Sinto o mesmo ao caminhar pelas ruas da cidade e vejo a tristeza das pessoas e das ruas! Falta vibração, falta movimento, falta atenção! Nascida em Maceió, morei em Aracaju e S. Paulo, mas adotei Penedo há mais de 11 anos e me sinto penedense de coração. Ver a cidade nesse processo de decadência é muito triste.Acho que passado de glorias tão decantado pelos "nascidos na terra" deveria servir de exemplo para um presente melhor e não para um retrocesso.