23 Agosto 2019 - 13:34

Aracaju registra redução de homicídios em 28 bairros

Divulgação
Um total de 95 vidas foram preservadas em 2019, quando comparado com o ano passado

O trabalho das polícias têm contribuído constantemente para a preservação de vidas em Sergipe. Na capital, 28 bairros registraram redução no número de homicídios em comparativo entre o primeiro dia de janeiro e 19 de agosto do ano passado e de 2019. Os dados fazem parte de levantamento feito pela Coordenadoria de Análise e Estatística Criminal (CEACrim). Só em Aracaju, segundo o levantamento, 95 vidas foram preservadas.

Dos 37 bairros da capital sergipana, foram contabilizados quedas na incidência de homicídios dolosos em 28. Dentre os que apresentaram maiores reduções estão o Industrial, com menos 13 casos; Porto Dantas e Santos Dumont, com 11 vidas preservadas em cada localidade; Siqueira Campos, sem nenhum registro, reduzindo de nove casos para nenhuma ocorrência; e Bugio e 17 de Março, com menos sete registros em cada bairro.

Ainda considerando o levantamento feito pela CEACrim, três bairros mantiveram os índices estáveis - Centro, 18 do Forte e José Conrado de Araújo. Nessas localidades, os números não tiveram aumento, mas a quantidade de registros permaneceu igual ao mesmo período do ano passado. Outros seis bairros registraram aumento na incidência desse tipo de crime na capital.

Redução da criminalidade

A coordenadora das delegacias da capital, delegada Viviane Pessoa, explicou que os homicídios estão diretamente ligados a outras ações criminosas. Segundo ela, a redução na incidência desses crimes colabora para a redução da criminalidade, a medida que grupos criminosos envolvidos com homicídios vão sendo desarticulados, outros crimes como o tráfico de drogas também são evitados.

“Hoje nós temos 28 bairros com redução no número de homicídios. Essa redução impacta em outros crimes. Quando se começa um trabalho de inteligência, integrado entre as polícias Civil e Militar, e começa a reduzir os homicídios, você está indo na base das organizações criminosas. Desarticulando esses grupos você tem um impacto na redução de homicídios e de outros crimes”, detalhou.

Além desse trabalho, a coordenadora citou a importância do Disque-Denúncia na elucidação dos crimes. “Nós temos o apoio da população. Quando usamos essa ferramenta de inteligência, que nós temos informação de todos os lugares, inclusive dos que a polícia não está tendo acesso, porque só quem está ali sabe o que acontece, você tem informações de todos os lugares. É uma ferramenta maravilhosa”, disse.

Segundo o comandante do policiamento militar da capital, coronel Neto, a parceria com a população e as ações policiais desenvolvidas de forma integrada entre as polícias Militar e Civil foram fundamentais para a essa redução na ocorrência de homicídios. O coronel citou ainda que o trabalho continua para melhorar ainda mais a segurança da população.

“Quando a população começou a trabalhar junto com a Polícia Militar, esses índices começaram a baixar gradativamente. Temos que salientar que o trabalho em conjunto entre a polícias é um marco importante nessa queda da criminalidade. Vamos trabalhar intensamente para que esses índices caiam ainda mais”, enfatizou o coronel.

O coronel destacou também o marco de dois meses sem registro de homicídios no bairro Santa Maria, tido como o mais violento do estado por muitos anos. “Nós temos mais de 65 dias sem homicídios no Santa Maria. Então não há o que se falar mais desse local como um bairro violento”, frisou.

A coordenadora das delegacias da capital elencou ainda o trabalho constante na identificação das áreas que precisam de melhoria na segurança pública. “Nós temos trabalhado baseados nas estatísticas, mapeamos onde nao esta dando resultado esperado e ali concentramos nossos esforços”, citou Viviane Pessoa.

O comandante do policiamento da capital também enfatizou a importância desse trabalho de mapeamento dos índices referentes a crimes praticados na capital. “Estamos monitorando essa situação para que esses bairros não voltem a crescer esses índices”, concluiu o coronel Neto. 

por Agência Sergipe

Comentários comentar agora ❯