14 Junho 2018 - 08:31

Jovem que sobreviveu a atentado em Neópolis é executado dentro do hospital de Propriá-SE

Divulgação
Pelo menos oito projéteis atingiram a vítima, que morreu na hora do atentado

O jovem que foi vítima de um atentado na madrugada desta quarta-feira, 13 de junho, em Neópolis, foi executado com diversos disparos de arma de fogo em um dos leitos do Hospital Regional de Propriá, local onde estava internado após ser submetido a um procedimento cirúrgico em uma das pernas.

De acordo com as informações colhidas junto ao 2º Batalhão da Polícia Militar, dois elementos ainda não identificados chegaram ao hospital na noite desta quarta, 13, e disseram na recepção que queriam visitar o paciente, como se fossem parentes da vítima, identificada até o momento apenas como Taicinho, de 21 anos.

Ainda segundo a polícia, os elementos foram autorizados a entrar na enfermaria e, ao encontrarem com o jovem, deflagraram diversos disparos de arma de fogo em sua direção. Pelo menos oito projéteis atingiram a vítima, que morreu na hora do atentado.

Logo após o crime, a dupla fugiu tomando destino ignorado. Buscas foram realizadas, mas nenhum suspeito de ter participado do homicídio foi encontrado.

O 1º atentado

O 1º atentado sofrido por Taicinho foi registrado por volta das 04 horas da madrugada desta quarta, 14. Ele estava saindo de um evento, nas imediações da Igreja Matriz da cidade, quando dois elementos se aproximaram e atiraram em sua direção. O jovem foi atingindo por um projétil na perna esquerda, mas mesmo ferido conseguiu correr e pedir ajuda à polícia.

De posse das características dos suspeitos, militares do 2º BPM deram início às buscas e conseguiram localizar a dupla em uma rodovia. Ao perceberem a aproximação da viatura, os elementos atiraram contra a guarnição. Houve o revide e eles acabaram levando a pior. Os dois homens chegaram a ser socorridos, mas morreram no Hospital Regional de Neópolis.

Como o jovem tinha conseguido escapar com vida do 1º atentado, os interessados em acabar com sua vida não desistiram e resolveram invadir o hospital onde a vítima estava para concluir o serviço.
 

por Redação

Comentários comentar agora ❯

Whoops, looks like something went wrong.