31 Maio 2010 - 10:30

Lula volta a defender cultura da paz e diálogo entre países

Divulgação

Ao comentar a conclusão do 3º Fórum Mundial da Aliança de Civilizações na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (31) que o encontro funcionou como uma espécie de resposta aos países que pretendem dividir o mundo. Lula voltou a defender a cultura da paz e o diálogo entre países.

“O Brasil aposta no entendimento e somente o diálogo vai fazer com que a gente cale o barulho das armas. Eu digo todo santo dia que existem milhões de razões para que a gente construa a paz e não existe uma única razão que justifique a guerra”, disse, em seu programa semanal Café com o Presidente.

Durante a abertura do encontro, no Rio de Janeiro, Lula já havia pedido que a comunidade internacional dialogasse com o Irã sobre a questão nuclear. Segundo ele, é preciso buscar “uma solução negociada” para um possível conflito que ameaça o mundo.

O 3º Fórum Mundial da Aliança de Civilizações reuniu chefes de governo da América Latina, Europa e África, além de chanceleres de todo o mundo, para pedir mais diálogo e convivência pacífica entre as diversas culturas e civilizações.

 

por Agência Brasil

Comentários comentar agora ❯

  • Paulo José dos Santos O colunista do jornal americano Washington Post Jackson Diehl publicou editorial nesta segunda-feira intitulado “Lula se transformou no ‘idiota útil’ do Irã?”. Para ele, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, deve achar que sim, já que a intervenção do brasileiro nas negociações da comunidade internacional com Irã sobre o desenvolvimento nuclear apenas permite ao iraniano enrolar as Nações Unidas “enquanto enriquece urânio”. O artigo também afirma que a “proposta” de Lula é muito parecida com uma que já foi rejeitada pelo Irã: trocar o todo urânio enriquecido por “células de combustível” radioativas para abastecer o reator de pesquisa médica na capital Teerã. Para Diehl, o “gesto” do presidente brasileiro pode ser “tão irrelevante quanto sua tentativa de mediar as negociações entre Israel e Palestina” no ano passado