28 Setembro 2010 - 10:18

Ministério Público Federal pede cassação das candidaturas de Collor e Galba

Fotomontagem
MPF pede a cassação da chapa Collor-Galba

A Procuradoria Regional Eleitoral em Alagoas (PRE/AL) ofereceu ação de investigação judicial eleitoral contra o candidato a governador da coligação "O Povo no Governo", Fernando Collor de Mello, e seu vice Galba Novais, em virtude de suposta prática de abuso de poder econômico e ainda utilização indevida de meios de comunicação social na divulgação de pesquisa eleitoral pelo Jornal Gazeta de Alagoas, consulta realizada pelo Gazeta Pesquisa (Gape).

A ação é fundada em inquérito civil público, instaurado pelo procurador regional eleitoral, Rodrigo Tenório, para investigar verificar a disparidade entre os resultados de duas pesquisas – a do Gape e a do do Instituto Brasileiro de Opinião e Pesquisa (Ibope), divulgadas no último dia 24 de agosto. Segundo o que apurou o Ministério Público Federal, ao contrário do determinado pela Resolução 23190/2010 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do informado pela própria Gazeta, a pesquisa do GAPE não estaria representando fielmente o eleitorado alagoano.

Enquanto Gape/Gazeta apontaram que 38% dos eleitores votariam em Fernando Collor, 23% em Ronaldo Lessa e 16% em Teotonio Vilela; o Ibope afirmou que o candidato Ronaldo Lessa teria a preferência de 29% do eleitorado, Fernando Collor, 28% e Teotônio Vilela Filho, 24%. Para chegar a essa conclusão, o MPF informa que examinou todos os 1.055 formulários preenchidos pelo GAPE/Gazeta com o resultado das entrevistas feitas durante a pesquisa. Ao compilar os dados contidos nos formulários, a instituição afirma ter identificado a fraude que beneficia o candidato Fernando Collor de Melo, sócio cotista da Gazeta de Alagoas Ltda, empresa responsável pelo Jornal Gazeta de Alagoas e pelo Gape.

Deturpação na representatividade da população que ganha até um salário mínimo 

Para o MPF, houve deturpação na representatividade da parcela da população que ganha até um salário mínimo com o claro fim de beneficiar o candidato Collor. Essa faixa da população é a que tem maior peso na pesquisa e nela Fernando Collor tem excelente desempenho, com 41% da preferência, contra 20% de Ronaldo Lessa e 18% de Teotonio Vilela. "Inflando a representatividade da população em pauta no universo pesquisado, a Gazeta/Gape deturpou o resultado da pesquisa, fazendo com que o candidato Fernando Collor, sócio quotista da empresa que controla o Jornal Gazeta de Alagoas, fosse privilegiado", afirma o procurador regional eleitoral Rodrigo Tenório.

O Ministério Público Federal informa ainda ter comprovado a existência da fraude após comparar os dados do censo de 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – que a Gazeta/GAPE diz ter usado – com os do GAPE. De acordo com o IBGE, 23,24% da população de Arapiraca recebem até 01 salário mínimo. O que eram 23,24% para o IBGE, na pesquisa da Gazeta viraram 76,32% do total de entrevistados. Isso significa que a representatividade do conjunto em questão foi indevidamente aumentada em 328%.

Ainda conforme o que está sendo divulgado pelo MPF, o ocorrido em Arapiraca repetiu-se nos demais municípios visitados pelo Gape. Em Atalaia, a representatividade de quem ganha até um salário mínimo foi aumentada 3,8 vezes. Em Campo Alegre, 5,74. Em Coruripe, 4,56, Em Delmiro Gouveia, 3,54. Em Girau do Ponciano, 4,33. Em Igaci, 4,1. Em Maragogi, 4,4. Em Marechal Deodoro, 3,7. Em Palmeira dos Índios 5,23. Em Penedo, 4,33. Em Pilar, 3,85. Em Porto Calvo, 3,85. Em Santana do Ipanema, 3,84. Em São José da Tapera, 4,94. Em São Miguel dos Campos, 4,65. Em São Sebastião, 3,84. Em Teotônio Vilela, 2,59. Em União dos Palmares, 1,94, e e m Maceió, 5,13.

Outro fato que levou o MP à conclusão de que a Gazeta de Alagoas estava sendo usada em benefício do candidato Fernando Collor foi a divulgação que se fez da pesquisa do IBOPE, que havia sido contratada pela TV Gazeta de Alagoas, sócia da Gazeta de Alagoas Ltda, a responsável pela pesquisa do GAPE.

A edição da Gazeta de Alagoas de 25 de agosto deste ano, ao divulgar a pesquisa do IBGE, trouxe a seguinte manchete: "Ibope mostra empate técnico entre Lessa e Collor". Segundo informações da reportagem, a pesquisa do Ibope tinha margem de erro de três pontos para mais ou para menos. Para o Ibope, Ronaldo Lessa teria 29% das intenções de voto, Fernando Collor, 28%, e Teotonio Vilela, 24%. Ao contrário do que apontou a manchete de capa da Gazeta, o empate técnico envolvia não somente dois candidatos, mas três: Ronaldo Lessa, Fernando Collor e Teotônio Vilela. "Ao omitir esse fato, a Gazeta de Alagoas fortalece a posição dos supostos líderes isolados, dentre os quais está Fernando Collor", sustenta Rodrigo Tenório.

A matéria já foi julgada pelo TRE-AL, que destacou que "em verdade, faltou à representada o dever de fidelidade aos dados apresentados na pesquisa quando omitiu informação que à evidência, causa prejuízo ao candidato representante, mormente numa campanha que se apresenta acirrada, pois sabemos que muitos eleitores aderem ao malfadado voto útil".

Inelegibilidade

De acordo com o Ministério Público Federal, as pesquisas exercem imensa influência no processo eleitoral. "Além de atrair os eleitores que optam pelo voto útil, a pesquisa tem grande influência no financiamento da campanha. Por óbvio, os grandes financiadores procurarão os candidatos com maiores chances de ganhar", afirma Rodrigo Tenório.

Na ação, o procurador regional eleitoral requer a cassação do registro de candidatura e a imposição de inelegibilidade pelo prazo de oito anos ao candidato Fernando Collor, pela prática de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.
 

por Redação com Assessoria - MPF

Comentários comentar agora ❯

  • Ida Brincar de cabra-cega é coisa de crianças. Tirem a venda dos olhos meus irmãos Alagoanos. COLLO E SUA COJA NUNCA MAIS.
  • jota Não sei porque isso não me surpreende. Os meios de comunicação sempre foram usados como meio de desinformação e manipulação da verdade. Isso é coisa de nossa velha república. Collor representa o que há de mais atrasado na vida pública. É de se esperar qualquer coisa de sua parte.
  • EVANIO PENEDO POK A IMPRESA BRASILEIRA KUAZE NOVENTA POR NEOT DELA PERTENCE A Politicos,isso é o resultado.os meios de comunicaçao sao verdaderios currais eleitorais em alagoas e nacional.
  • Ednaldo Fernandes Todo mundo viu, todo mundo sabia que havia manipulação das pesquisas, principalmente vindo de uma pessoa inescrupulosa, peçonhenta e sem caráter igual ao Collor e sua laia, só a justiça que não tinha visto, embora tardia, o pedido de cassação pode mostrar a outros facínoras iguais a ele que os mesmos não são deuses, e que podem tudo, principalmente tentando manipular e ludibriar a opinião pública, não somos palhaços, se existe, está representado na pessoa do Collor.
  • nal A PESSOA QUE SAI DA SUA CASA PRA VOTAR NO COLLOR MERECE UMA PISA DE RABO DE ARRAIA.ELE FEZ O QUE FEZ E TEM GENTE QUE DIZ VOTAR NELE,É GOSTAR DE SOFRER...
  • Nando Cordeu Essa é uma boa noticia....Vamos comemorar.....!
  • abel bibibibibi...buzinou é 14
  • +1brasileiro porque ñ acabam com esas pesquisas ja que ñ servem pra nada
  • Eleitora Agora q o ministério público veio se preocupar cm as pesquisas faltando quatro dias das eleições. todo mundo sabe q as pesquisas na maioria das vezes são manipuladas.
  • Fernando Maximino Vamos ver se o Collor vai se suicidar de raiva dessa vez. Esse desequilibrado não tem condições de governar o Estado!!!
  • evanio penedo o povo tem a oportunidade de fazer do nosso estado,um modelo de estado e nao essa porkaria que estao fazendo nos ultimos anos ,todos eles que sao candidatos comtribuiram pra o caus ki alagoas vive.pior é o collor