08 Outubro 2009 - 14:52

"Conversa de Botequim" com José Wanderley

Neno Canuto
José Wanderley explicou que a emoção deve ficar fora da sala de cirurgia

Cerca de quinhentas pessoas de variados segmentos da sociedade, a exemplo de políticos, empresários e médicos foram ouvir o vice-governador José Wanderley Neto, na última terça-feira, 6, no Restaurante Rapa Nui. O trânsito nas proximidades ficou congestionado. O vice-governador foi o entrevistado desta semana do jornalista Plínio Lins no programa Conversa de Botequim. Durante a entrevista foram abordados temas como política e medicina.

Ao iniciar a entrevista, Plínio Lins fez referência ao grande número de pessoas presentes no local e perguntou ao vice-governador se a enorme legião de amigos era fruto do seu exercício na profissão de médico. José Wanderley afirmou que a medicina, e principalmente a especialidade em cirurgia cardíaca, com certeza tinha lhe rendido muitas amizades.

O vice-governador ressaltou a preocupação do governador Teotonio Vilela em dirigir Alagoas, dedicando-se intensamente à restruturação do Estado, bem como ao compromisso do senador Renan Calheiros na articulação da bancada federal e à liberação de recursos para Alagoas.

Ao ser perguntado se hoje ele se sentia preparado para ser prefeito de Maceió, o vice- governador afirmou que, caso isso acontecesse se sentiria completamente a vontade e preparado para exercer o mandato.

Plínio Lins se referiu ainda sobre a emoção de se ter um coração pulsando na mão, e Wanderley disse que, ao entrar na sala de cirurgia a emoção tem que ficar lá fora, ela somente pode aflorar quando a gente conversa com o paciente ou com a família.

por Agência Alagoas

Comentários comentar agora ❯