09 Março 2018 - 10:23

Sindpol denuncia que presos vivem em estrutura desumana na delegacia de Igreja Nova

Assessoria
O estado de abandono impressionou a diretoria do Sindicato

A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) visitou a Delegacia de Igreja Nova e encontrou a carceragem superlotada com 16 presos em flagrante, desrespeitando à determinação do Ministério Público que proibiu a permanência de detentos no local.

O estado de abandono impressionou a diretoria do Sindicato. Com problemas de encanação na fossa, todos os dejetos dos presos vão direto para o lado de fora da parede, causando mal cheiro em toda a área em volta da delegacia.

O presidente do Sindpol, Ricardo Nazário, destaca que os policiais civis não aguentam mais a forma desumana que são tratados pelo Governo do Estado, bem como os presos e a população, que necessitam dos serviços da Polícia Civil.

“A Delegacia Geral insiste em descumprir as determinações do Ministério Público e dos magistrados alagoanos, desrespeitando a integridade dos policiais civis, colocando em risco a saúde da categoria, dos presos e do cidadão”, disse.

Na inspeção, os dirigentes do Sindpol encontraram portas quebradas; cadeiras velhas e rasgadas; entupimento de fossa; amontoada de entulhos com materiais de apreensão, como moto e carros; as paredes rachadas com infiltrações e mofo. O alojamento está com móveis velhos e infiltrações na área da instalação do ar condicionado. A carceragem com problemas na parte hidráulica, sem ventilação e com iluminação precária.

Do Sindpol, participaram da inspeção o presidente do Sindpol; o vice-presidente, Jânio Vieira; o secretário, Bartolomeu Rodrigues; o diretor de Comunicação, Edeilto Gomes; e o diretor Administrativo, Adriano Gama.
 

por Redação com Assessoria

Comentários comentar agora ❯