15 Agosto 2009 - 17:00

Vacinação contra poliomielite é adiada para setembro

Divulgação

A Secretaria de Estado da Saúde irá adiar para o dia 19 de setembro, a segunda etapa da Campanha de Vacinação contra a Poliomielite, acompanhando a maioria dos estados brasileiros, que seguem recomendação do Ministério da Saúde. A mudança da data, conforme informou a superintendente de Vigilância em Saúde, Sandra Canuto, não irá afetar a saúde das crianças nem o efeito da vacina, que foi aplicada na primeira etapa no último mês de junho.

Apesar de estados do Nordeste, como Bahia e Sergipe, darem continuidade a campanha no próximo dia 22, Sandra Canuto, explicou que Alagoas resolveu seguir as demais unidades da federação, porque um dos objetivos é que a campanha seja uniforme. ”Os estados realizando a vacinação no mesmo período contribuem para que seja criada uma rede de proteção e garanta a imunidade das crianças menores de cinco anos”, destacou.

A determinação do Ministério da Saúde em adiar a campanha ocorreu em função do aumento do atendimento nas unidades de saúde dos estados, devido os casos de gripe A (H1N1). Muito embora todos não estejam com sobrecarga, como é o caso de Alagoas, onde a doença está sob controle e a maioria dos casos registrados foi importado de outros países e estados do Brasil.

“Nessa segunda etapa da campanha serão aplicadas 490 mil doses da vacina que estarão nos postos de saúde da Capital e do interior a partir do dia 14 de setembro”, disse Sandra Canuto. A meta é atingir, no mínimo, 95% de crianças menores de cinco anos. Em todo o Brasil, o Ministério da Saúde pretende atingir cerca de 14,7 milhões de crianças, o que corresponde a 95%. Na primeira etapa realizada em junho, o País atingiu 95,7% do público alvo.

Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que não existe circulação do vírus da poliomielite no Brasil e em toda a América Latina. O resultado é fruto das campanhas de vacinação que estão sendo realizadas desde 1980. Mesmo assim, o Ministério da Saúde garante que é fundamental vacinar as crianças.
 

por Ascom-Sesau

Comentários comentar agora ❯