18 Abril 2017 - 10:06

Estudantes da rede estadual conhecem cultura indígena

Valdir Rocha
Povo Xucuru-Kariri apresenta suas tradições e costumes

Uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) leva a cultura indígena para estudantes da rede estadual em Maceió. Nesta terça-feira (18), a partir das 8h, será a vez da Escola de Ensino Integral Princesa Isabel, no Cepa, receber a visita do povo Xucuru- Kariri.

Na segunda o povo Xucuru-Kariri, de Palmeira dos Índios, apresentou seus costumes e tradições para alunos da Escola Moreira e Silva, também no Cepa. O evento conta ainda com o apoio do Gabinete Civil.

Na ocasião, a comunidade faz exposições de seu artesanato, costumes, cultura, além de realizar demonstrações de pinturas corporais e apresentação da dança Toré. A comunidade Xucuru-Kariri é dividida em oito aldeias, sendo composta por 5.800 pessoas. Destas, duas participam da ação no Cepa: a Aldeia Mãe, Serra do Capela e a Aldeia Nativa, Mata da Cafurna.

Na segunda-feira (17), o povo Xucuru-Kariri esteve na Escola Moreira e Silva, onde se apresentou para estudantes do ensino médio. Aluna da 2ª série, Maria de Lurdes diz que a visita fez com que ela e seus colegas aprendessem mais sobre a cultura indígena. “Estou muito feliz por tê-los conhecido melhor, é bem diferente do que eu costumava ver na televisão. Gostei de tudo, principalmente das pinturas corporais”, relata a estudante.

Uma nova visão

Purinã Selestino, um dos representantes da comunidade Xucuru-Kariri, disse que esse contato com os estudantes é muito importante, pois oportuniza a divulgação e a valorização da cultura indígena. “Esse momento é muito importante, pois estamos apresentando aos alunos a nossa cultura, os nossos cânticos, o nosso artesanato. Também é uma oportunidade para mostrarmos que a aquela ideia de que o índio vive isolado não condiz com a realidade”, afirma Purinã.

O supervisor das Diversidades da Seduc, Zezito de Araújo, conta que a ação permite quebrar velhos paradigmas a respeito dos povos indígenas. “A própria comunidade indígena leva a discussão para as escolas para que esse imaginário de que o índio vive isolado seja desfeito. Além disso, este momento oportuniza a valorização das diversidades culturais” pontua Zezito.

por Agência Alagoas

Comentários comentar agora ❯