01 Março 2010 - 19:21

Mercosul precisa ser revitalizado, diz diplomata uruguaio

O Mercosul é um instrumento importante para a região, mas precisa ser revitalizado. O diagnóstico é do diplomata uruguaio Alberto Guani, que foi cônsul do país no Rio de Janeiro nos últimos cinco anos e agora retornou ao país para assumir novo posto no governo de José Mujica. O novo presidente toma posse hoje (1º), em cerimônia marcada para o início da tarde.

“O Mercosul é uma coisa boa para o nosso país, mas a maioria das pessoas tem a impressão de que não está cumprindo seus objetivos. O maior problema é a assimetria, a falta de igualdade entre os países”, afirma o diplomata, que antes de trabalhar no Brasil passou pela Alemanha e pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Guani avalia que o Uruguai atravessa um momento único em sua história, com a sucessão de um presidente de esquerda, Tabaré Vázquez, por outro de mesma tendência política, o que jamais aconteceu antes. Para ele, o novo governo dará continuidade às políticas sociais do anterior, mas deverá focar mais nos investimentos de ciência, tecnologia e educação, resgatando a economia do campo, que já foi um dos orgulhos nacionais.

“O Uruguai deve ser um país agrointeligente. Temos que investir em nossa fonte primária, da agricultura e pecuária, aplicando conhecimento e melhoramento genético na produção”, propõe.

Mas é nas salas de aula que o diplomata vê o futuro do país, por meio do investimento maciço em educação, setor que, segundo ele, recebeu mais de US$ 1 bilhão no último ano do governo de Tabaré. “Todas as escolas públicas entregaram um laptop para cada aluno, para eliminar a divisão digital entre os que tinham dinheiro para comprar um computador e os que não tinham. Agora queremos avançar ainda mais, oferecendo um pacote digital a todas as famílias, que inclui televisão a cabo, internet de banda larga e telefonia fixa”, anuncia.

Outra vertente do desenvolvimento uruguaio, segundo Guani, deve ser a logística, transformando o país em um grande entreposto para economias do interior do continente sem saída para o mar, como a Bolívia e o Paraguai. “Somos um país de esquina, com vista para o mar”, compara ele, que antecipa um dos projetos do governo Mujica: construir um grande porto de águas profundas no norte do país, que receberia mercadorias procedentes do interior do continente, por meio do Rio da Prata.

 

por Agência Brasil

Comentários comentar agora ❯