16 Julho 2018 - 16:05

Policial civil de Coruripe acusado de tentar matar vereador tem prisão decretada pela Justiça

Divulgação
TJ de Alagoas

O policial civil Gilberto Ferreira dos Santos, acusado de tentativa de homicídio contra o vereador Edivaldo de Souza Santos, teve a prisão decretada pela juíza Renata Malafaia Vianna, da Comarca de Teotônio Vilela.

Segundo a denúncia do Ministério Público, recebida pela magistrada, a vítima entrou em conflito com Gilberto porque este afirmava ser o verdadeiro proprietário de um terreno na região da Lagoa do Pau, em Coruripe. O crime aconteceu em 9 de outubro de 2017.

Para a magistrada, os pressupostos da prisão preventiva – prova da materialidade e indícios suficientes de autoria – foram preenchidos. A decisão foi proferida no dia 9 de julho e o réu se encontra preso desde sexta-feira (13).

“[Do inquérito], extrai-se que o denunciado agiu de forma extremamente ousada, utilizando-se de arma de alto poder letal e desafiando os Poderes Judiciário e Executivo Municipal, uma vez que a vítima era vereador de Teotônio Vilela e o crime ocorreu após decisão do Juízo competente de Coruripe, que havia determinado que o denunciado saísse das terras que esbulhou (invadiu) e que pertenciam à vítima”, diz a decisão.

A juíza destacou que o denunciado é chefe de serviços da Delegacia de Coruripe, “e fez uso de sua função para ameaçar e amedrontar a vítima, conforme relatado por ela em suas declarações”.

O inquérito, conduzido por uma comissão de delegados, indica que foram recolhidos, no local do crime, 24 estojos de munição ponto quarenta, calibre de uso restrito das forças policiais. O inquérito informa ainda que a Edivaldo relatou não ter outras inimizades e que estava no imóvel há mais de um ano, quando começou a ser ameaçado por Gilberto.

“A prisão cautelar do denunciado neste momento processual é imprescindível para o correto desenvolvimento do processo criminal, para que seja impedido de causar maior interferência nos ânimos da vítima e testemunhas ou tumulto processual”, concluiu a juíza.

A decisão também determinou o sequestro do imóvel.
 

por Redação com Assessoria

Comentários comentar agora ❯

  • Segurança Pública Já é sabido por todos que em Alagoas se prende primeiro para averiguar as circunstâncias depois, esse caso não é diferente do "caso Roberta onde policiais civis foram presos por mero achismo. Mais uma vez prova a conduta intencional de prejudicar a todo custo o policial, sem ter uma prova sequer.
  • Segurança Pública ... assim segue Alagoas colecionando aberrações, Investigações tendenciosas e decisões desastrosas. Lamentável!

Whoops, looks like something went wrong.