13 Novembro 2010 - 23:21

IBGE: comércio alagoano continua a crescer em 2010

A Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada hoje (12/11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e analisada Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio/AL), constata que o comércio varejista em Alagoas cresce fortemente desde o ano de 2003. Tomando este ano como base (=100), o índice de crescimento acumulado das vendas no comércio varejista alagoano alcançou 125%, figurando no quinto lugar do ranking nacional e ficando acima dos resultados do Brasil e Nordeste.

Conforme a pesquisa, todos os estados nordestinos têm apresentado taxas de crescimento acumuladas. Em relação ao crescimento acumulado entre janeiro e setembro de 2010, o comércio alagoano expandiu 13,8%, ficando apenas atrás da Paraíba (19,1%), Maranhão (17%) e Ceará (14,6%). O resultado para Alagoas também é superior às médias verificadas para o Nordeste (12,9%) e o Brasil (11,4%), em setembro.

Por outro lado, o volume de vendas no mês de setembro em relação a agosto de 2010, caiu em Alagoas 2,7 pontos percentuais. Também houve queda no Nordeste, na Paraíba (-2,8) e na Bahia (-2,6) (tabela 1).

Para o consultor da Fecomércio/AL e professor de economia da Ufal, Fábio Guedes Gomes, essa ligeira queda não preocupa. "Significa um fenômeno temporário e localizado somente nesse mês, já que os demais sempre apresentaram aumentos relativos quando comparados ao mês imediatamente anterior", explica.

Quando se avalia o resultado do crescimento das vendas de setembo de 2009 a setembro de 2010, novamente o resultado é favorável para Alagoas. No acumulado dos 12 meses, o crescimento do volume de vendas no estado ficou em 13,5%, somente atrás dos estados da Paraíba com 15,3%, Sergipe com 13,5% e Ceará com 13,8%.

De acordo com o consultor econômico da Fecomércio, os resultados constatam que o comércio alagoano se inseriu definitivamente na onda de crescimento econômico com geração de emprego, renda e estabilidade macroeconômica que marcam esses últimos anos no Brasil e, especialmente, o Nordeste do País.

 

por Ascom/Fecomércio/AL

Comentários comentar agora ❯