Blog da Juventude

Blog da Juventude

Por Willian Nelson

Postado em 22/05/2022 14:16

Governo descarta tributar compras por meio de aplicativos estrangeiros, mas economistas pedem atenção redobrada de consumidores

Google
Governo descarta tributar compras por meio de aplicativos estrangeiros, mas economistas pedem atenção redobrada de consumidores
Mesmo descantando, economistas falam de tributação em breve.

No Brasil, muitos jovens compram de forma assídua produtos pela internet, operações sendo realizadas todos os dias, sendo produtos importados 74% dos demais comprados com produção nacional. O presidente Jair Bolsonaro, descartou a edição de medida provisória para tributar compras realizadas no exterior por meio de plataformas tecnológicas na internet. Em sua fala, o presidente destaca: “ Não assinarei nenhuma MP para taxar compras por aplicativos como Shopee, AliExpress, Shein etc como grande parte da mídia vem divulgando.” afirma Jair Bolsonaro. Atualmente, a isenção de Impostos de Importação ocorre para encomendas de até US$ 50, mas no entanto, o benefício só será concedido se a remessa ocorrer entre duas pessoas físicas, sem fins comerciais.

Mesmo com essa medida, os consumidores devem ficar de olhos abertos, pois mesmo que neste momento não haja tributação para compras, o sistema financeiros dos países que exportam estão em grande parte todos adequados a regra de países de primeiro mundo, desvalorizando assim quando são exportados para países de moeda e economia mais baixa. Segundo o secretário Especial da Receita Federal, Júlio César Gomes, em entrevista ao programa Brasil em Pauta da TV Brasil, no início deste mês, muitos vendedores se fazem passar por pessoas físicas quando, na verdade, constitui fraude. Segundo César Gomes chamou esses aplicativos de “camelódromos virtuais”, hoje no Brasil recebe cerca de 500 mil dessas encomendas por dia.

Ainda de acordo com o secretário, a Receita Federal está intensificando o combate a bens contrabandeados ou que burlam as regras tributárias vigentes por meio de um programa de rastreabilidade fiscal recém-lançado. O secretário também afirma que estava em estudo a edição de uma medida provisória com foco nos “camelódromos virtuais”. Especialistas em economia apontam que essa pode ser a primeira investida do governo atual em querer tributar essas compras, mesmo que aparente não haver um interesse, a nota divulgada deve ser observada pelos consumidores, que poderão pagar mais caro a partir desta investida da governança nacional.

 

Comentários comentar agora ❯