Martha Martyres

Martha Martyres

Radialista, diretora da rádio Penedo FM, âncora do jornalismo no Programa Lance Livre

Postado em 10/11/2009 14:45

Uma vida dedicada a Alagoas e ao seu povo

Aquiacontece.com.br
Uma vida dedicada a Alagoas e ao seu povo
Hélio Lopes no lançamento do aquiacontece.com.br

Poucos alagoanos tiveram a oportunidade de servir ao seu Estado como Hélio Nogueira Lopes, que tem dedicado toda a sua vida de médico e homem público às causas maiores de Alagoas. 

Penedense apaixonado por sua terra, Hélio Lopes marcou toda a sua vida pela firmeza de caráter, competência e, sobretudo, honestidade no trato com a coisa pública, virtude cada vez mais rara no mundo da política brasileira.

Como prefeito de Penedo, pautou sua administração dentro dos mesmos princípios éticos que marcaram a passagem de Graciliano Ramos pela Prefeitura de Palmeira dos Índios, quando entrou para a história com a lição de probidade que deixou ao Brasil como legado.

Pela atuação destacada com que sempre exerceu a medicina e pela dedicação ao trabalho em prol dos menos favorecidos, foi eleito prefeito pelo voto direto dos penedenses, exercendo o mandato de 5 anos, de 31 de janeiro de 1956 a 31 de janeiro de 1961.

Na sua gestão foi criado o Serviços Autônomo de Água e Esgoto – SAAE e a Companhia Telefônica do município com 400 linhas, com serviço semi-automático, que foi absorvido posteriormente pela Telasa e Penedo também passou a ser a primeira cidade do interior alagoano a receber a energia elétrica de Paulo Afonso, vinda de Sergipe, dentre muitas outras realizações.

O penedense  Hélio  Lopes, teve atuação fundamental nos meios de comunicação da cidade.

Em 1958, durante seu mandato como prefeito de Penedo, fez a doação do prédio onde até os dias de hoje funciona a Emissora Rio São Francisco AM, a primeira emissora do interior alagoano. A Emissora Rio São Francisco entrou em operação, oficialmente, no dia 25 de abril de 1959 às 15 horas e foi inaugurada no dia 29 de agosto do mesmo ano.

O saudoso Haroldo Lessa, um dos grandes nomes do rádio brasileiro, foi o primeiro locutor da rádio com a célebre frase: “- Emissora Rio São Francisco, a Voz da Unidade Nacional. A partir de agora, Penedo fala mais alto.”

No final da década de 80, várias concessões de emissoras de Freqüência Modulada foram destinadas ao estado de Alagoas, especificamente para as cidades de Maceió, Arapiraca, Santana do Ipanema, Palmeira dos Índios e Penedo. Perseguindo o sonho de dotar a sua cidade natal de uma emissora FM moderna e voltada para o crescimento de Penedo, Dr. Hélio Lopes e seu filho, o engenheiro Ronaldo Pereira Lopes, deram início ao trabalho de implantação da Rádio Penedo FM.

Inaugurada em 17 de Fevereiro de 1990, a Rádio Penedo FM tem-se destacado em Alagoas e região do Baixo São Francisco, como uma referência no ramo da comunicação, atuando em todos os setores da sociedade sanfranciscana.

Com os novos desafios da comunicação, em agosto deste ano, a Organização Hélio Lopes lançou o site de notícias aquiacontece.com.br, com o objetivo de ampliar a interatividade entre os penedenses e oferecer à comunidade alagoana mais um canal de informação.

Deputado estadual por três legislaturas, Hélio Lopes também deixou sua marca nos anais da Assembléia Legislativa como um parlamentar que jamais legislou em causa própria, escrevendo seu nome na galeria dos políticos que souberam honrar o mandato popular, em uma época em que não imperava o coronelismo nem haviam os famosos currais eleitorais, o que tornava Penedo uma cidade atípica no contexto da política alagoana. “Aqui ninguém é dono de voto e as lideranças são forjadas no trabalho e na dedicação as causas da comunidade” ensina Hélio Lopes.

Médico de formação humanista, Hélio Nogueira Lopes galgou o auge de sua carreira de homem publico como Secretário de Saúde no primeiro governo Divaldo Suruagy, época em que a escolha do secretariado tinha tanta importância quanto à própria eleição do governador.

Foi nesse cargo que Hélio Lopes realizou seu trabalho de maior interiorização dos servidores de saúde pública, construindo postos de saúde e levando médicos a todos os municípios alagoanos. Também foi presidente do Laboratório Industrial Farmacêutico de Alagoas – Lifal.

Mesmo tendo exercido diversos e importantes cargos da administração, Helio Lopes jamais se utilizou deles em proveito pessoal. “Meu maior patrimônio é a família, a legião de amigos que conquistei ao longo de minha vida e, sobretudo, a marca de honestidade registra em todos os cargos públicos que exerci, herança maior que deixo para meus filhos como legado”.

Como todo bom filho, Hélio Lopes é um penedense apaixonado por sua terra, e se divide ainda hoje entre Maceió e Penedo, gozando da convivência de um amplo leque de amigos e do respeito conquistado durante os anos de vida pública.

Hoje, em seu aniversário, ao comemorar 87 anos, Hélio Lopes, cercado de filhos de netos, recebe justas homenagens dos que reconhecem o grandioso trabalho desenvolvido durante sua vida pública em prol de sua cidade e de sua gente.
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 09/11/2009 15:21

As mulheres também morrem quando morrem os seus sonhos

Fui procurada por uma mulher jovem, bonita, provavelmente beirando os trinta anos, lábios machucados por traços de violência física.


Não me surpreendi. Muitas mulheres que sofrem agressões físicas me procuram para denunciar, pedir conselhos e, infelizmente, na maioria das vezes, apenas para desabafar. Digo infelizmente porque normalmente esses são os chamados “crimes de ação privada” e somente a elas, cabe o direito de optar ou não pela denúncia formal.


E minha sala, aqui na rádio, a sala de visitas da minha casa ou qualquer cantinho mais discreto transforma-se naquilo que deveria ser uma delegacia especializada com profissionais qualificados e competentes para receber, orientar e garantir proteção a essas mulheres.
Infelizmente, continuamos criando governos socialmente irresponsáveis porque elegemos governantes na condição de eleitores-consumidores em recesso e ainda sobrevivemos em uma sociedade omissa.


Não me surpreendi ao receber uma mulher visivelmente agredida. Surpresa fiquei ao receber uma mulher que me procurava para pedir um exemplar do meu “Despedaços” porque o seu fora rasgado juntamente com dezenas de folhas de papel que continham seus escritos.
Papéis rasgados por um marido ciumento, ignorante, que considera que “escrito não enche barriga”.


Sua sinceridade e sua resignação aliadas à sua vontade de ter de volta um livreto simples, que retrata momentos de uma vida tão comum me fizeram ver que os resquícios da intransigência e do totalitarismo masculinos ainda são uma cruel realidade no nosso cotidiano.


A violência contra a mulher, tão presente no noticiário, não é apenas a física. Não se mata mulheres apenas com facadas, tiros ou pauladas. As mulheres também morrem pela incompreensão, pela indiferença, pelo desrespeito aos seus desejos.


As mulheres também morrem quando morrem os seus sonhos.


Há algum tempo li um artigo do escritor Ignácio de Loyola Brandão em que ele abordava esse tipo de violência, narrando casos arrepiantes.


Ele conta a história de um noivo que depois de descobrir que a noiva escrevia fez tudo para ler e ao terminar, enfiou o dedo na garganta e vomitou sobre as páginas. O marido de outra recolheu tudo o que ela escreveu e pões fogo. Outro pegou os originais datilografados do livro que sua mulher estava escrevendo e os transformou em barquinhos e aviõeszinhos que foram atirados da janela do apartamento do décimo primeiro andar onde morava..


O marido dessa mulher que me procurou disse que “escrito não enche barriga”, mas quando se trata do ser humano, tudo é possível. O marido de uma escritora de Campo Grande simplesmente encheu uma panela com água, deixou ferver, colocou os versos que ela tinha escrito durante um ano e fez uma sopa obrigando-a a tomar.


O pai de uma menina de 19 anos foi com ela ao supermercado, fez as compras e obrigou a filha a entregar, como pagamento, as páginas de um conto que ela estava escrevendo. Naturalmente, o caixa não aceitou e ele, indignado, gritava na frente de todo mundo que “escritos não pagam dívidas”.


Outro pai, um pastor de Vitória da Conquista, castigou a filha severamente, deixando-a trancada dentro de um quarto escuro por vários dias porque, segundo ele, “mulher séria não escreve”.
O namorado de uma garota no Rio Grande do Sul pegou as páginas do caderno em que ela escrevia e as transformou em papel higiênico.


Em pleno século XXI, quando as perspectivas são de que as mulheres, cada vez mais, assumirão os mais importantes papéis na liderança mundial, é quase inacreditável que coisas desse tipo aconteçam. Quase.


Não é de estranhar que muitas mulheres estejam desorientadas. O machismo persiste dentro de uma sociedade que insiste em fazer a cabeça da mulher no sentido de exaltar sua feminilidade, transformando-a em um produto sexy, bonito, perfumado e medianamente inteligente, capaz de fazer discursos hipócritas de recato e espertas o suficiente para serem compreensivas com os “deslizes” de seus companheiros. Afinal, eles são homens e, na nossa cultura, continuam podendo!


Ainda há muitos homens e mulheres que se recusam a pensar, agir, criar, mudar, ser. Não percebem o quanto é grave esse tipo de violência. A violência que impede o crescimento como pessoa, que avilta.


E muitas mulheres continuam sendo mortas, diariamente, sem manchetes, sem obituário, sem registro. Uma violência silenciosa que não conhece limites.
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 06/11/2009 12:10

'Afinal, quando o juiz vai decidir?'

Nos últimos dias vários telefonemas de ouvintes (naturalmente alguns espontâneos, outros direcionados) para o Programa Lance Livre têm cobrado do Juiz Braga Neto a tão esperada sentença dos processos que envolvem o resultado da eleição 2008 para prefeito de Penedo, que, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral, recaiu sob sua responsabilidade e sobre seus ombros após o juiz titular da 13ª Zona solicitar afastamento por motivo de foro íntimo.


É claro que uma decisão tão importante precisa ser, além de justa, bem fundamentada, o que demanda tempo, pesquisa, avaliação de provas, reflexão, interpretação e ainda outros “ãos” que envolvem sentimentos e atitudes humanas como determinação, vocação, dedicação, capacidade de observação e consciência de predestinação.


É lugar comum dizer que a justiça é lenta. É claro que, como cidadãos, queremos que as decisões que envolvem situações importantes para o nosso cotidiano sejam tomadas na velocidade que almejamos, mas, devemos entender, também, que juiz é homem, um ser humano à mercê de todos os mesmos sentimentos que estão presentes em cada um de nós.


Pela sua história profissional, o juiz José Braga Neto é respeitado e não há nada que possa sinalizar que a sua decisão não será justa. Por outro lado, ainda possui um atenuante para a demora: responde por duas Varas Criminais (4ª de Penedo e 8ª de Maceió), além de ter que cumprir até 31 de dezembro a determinação do Conselho Nacional de Justiça em relação aos processos que deram entrada até 2005.


Há, ainda, outra conclusão que parece óbvia: a de que seja qual for a decisão do juiz de primeira instância, qualquer uma das partes que se sentir prejudicada vai recorrer de sua sentença. Isso é líquido e certo. Portando, o caminho a ser percorrido por esses processos vai de Penedo a Brasília. Então, o jeito é: esperar e confiar na missão institucional do Magistrado.


Como diz o velho ditado popular, a justiça tarda, mas não falta. E como o tempo é um sujeito gago, é preciso ter paciência para saber o que ele diz.
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 03/11/2009 12:07

A Prefeitura vai fazer?!!!!!!

Em entrevista concedida ao Programa Lance Livre, o arquiteto penedense Mário Aloísio, superintendente do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN em Alagoas, disse que está praticamente definida a construção do Fórum Desembargador Alfredo Gaspar de Mendonça na Lagoa do Oiteiro.

Segundo ele, o maior argumento defendido junto à Presidente do Tribunal de Justiça, Elizabeth Carvalho Nascimento, é a valorização do Centro Histórico. A construção da sede do Judiciário naquele local (que não está na zona de tombamento) impediria o esvaziamento da área onde está localizada a tradicional feira de Penedo que pode vir a ser redirecionada.

Mário Aloísio disse, também, que está conversando com o gestor municipal e que as obras de urbanização da área (escoamento de águas pluviais, esgotamento sanitário, contenção de cheias do Rio São Francisco, ajardinamento e asfaltamento dos acessos) deverão ser realizadas pela Prefeitura de Penedo.

Perguntinha Básica: O município de Penedo, cujos gestores reclamam da falta de recursos,  não consegue sequer realizar uma limpeza pública eficiente e fornecer saúde de qualidade para seus munícipes, terá dinheiro para uma obra dessa magnitude?
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 03/11/2009 08:11

Curtas, Médias e Moduladas


Piso Policiais


O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, senador Demóstenes Torres, atendeu solicitação do senador Renan Calheiros e a Proposta de Emenda à Constituição que estabelece um piso salarial para os policiais será incluída na pauta da Comissão para ser votada nesta quarta-feira (4).


O próprio Demóstenes Torres será o relator da proposta de autoria de Renan Calheiros na CCJ. O pedido foi feito por Renan durante a última reunião da Comissão que aprovou projeto que criou mecanismo de progressão funcional para os policiais e bombeiros do Distrito Federal, além de um adicional de risco de vida para os servidores policiais da Capital Federal.

Piso Policiais 1

Entidades que congregam policiais de todo o Brasil estão confiantes na aprovação da Proposta de Emenda à Constituição, de iniciativa do senador Renan Calheiros, que estabelece piso salarial para a categoria.


Segundo o presidente da Assomal – Associação dos Oficiais Militares de Alagoas, major PM Wellington Fragoso, os policiais animaram-se com a aprovação pelo Senado, na semana passada, de projeto que fixou a progressão funcional, vencimentos e gratificação por risco de vida para os policiais e bombeiros do Distrito Federal. Eles acreditam que o benefício será estendido aos policiais dos estados e municípios, conforme proposta do senador Renan Calheiros.

Famílias X Heranças


É muito triste ver a desagregação de famílias por causa de bens materiais. Nessa semana que se inicia dois casos em Alagoas chamam a atenção: o julgamento do assassino confesso (primo da vítima) do empresário Bernardo Oiticica, Francisco Oiticica Cavalcante e a agressão entre irmãos que aconteceu em pleno shopping da capital. Filhos da empresária Zey Cabeleireira, que faleceu vítima de um acidente ocorrido no último sábado.

Segundo testemunhas, o ato foi motivado por uma discussão pela herança da empresária. E o fato aconteceu horas depois do sepultamento.


Infelizmente é comum noticiarmos crimes provocados por essa disputa de direitos a bens materiais. Processos litigiosos, fraudes, assassinatos...Tudo isso nos faz refletir sobre o valor da das coisas que nos cercam.


O ser humano é mesmo indecifrável e suas atitudes, quando avaliadas dentro dos preceitos do bem que deveriam ser inerentes a todos os seres pensantes, nos fazem constatar que, na prática, somos impelidos pelo instinto animal e que na maioria das vezes são os sentimentos negativos que sobrepujam a nossa razão.
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 28/10/2009 11:33

Penedo e seu futuro

Falar sobre Penedo tem sido um exercício diário nos quase vinte e cinco anos em que, desde a Emissora Rio São Francisco, o rádio possibilitou-me a oportunidade de expor idéias e tecer opiniões sobre seu passado, presente e futuro.

Penedo e seu futuro, a princípio, parece um tema extremamente subjetivo, afinal, futuro sempre foi associado a destino, sem essa concepção dinâmica que o presente nos oferece, até que surgiu o famoso e tão decantado planejamento.

Hoje, talvez seja possível vaticinar sobre o futuro de Penedo. O que essa cidade tão linda e amada nos reserva e que destino estamos planejando para ela?
É impossível pensar em Penedo de forma dissociada de seu inequívoco patrimônio hoje tombado pelo Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Cidades privilegiadas como Penedo, Marechal Deodoro e Piranhas, consideradas patrimônio do Brasil, merecem muito mais do que serem detentoras do orgulho de representantes vivas da história de nosso povo e de nosso país. É urgente e imprescindível viabilizar um futuro que exige alicerce no passado, consciência do potencial existente no presente e arrojado projeto futurista.


Em minha modesta opinião, as perspectivas de Penedo têm duas vertentes: educação e turismo ecológico e cultural.

Pela sua localização geográfica e recursos ambientais/hidrológicos disponíveis, Penedo pode transformar-se em um destino turístico dos mais encantadores, desde que haja, por parte dos governos e da iniciativa privada um investimento robusto com infra-estrutura de serviços disponíveis à população local e flutuante, com hotéis de qualidade, valorização da cultura gastronômica, formação de mão-de-obra especializada, utilização sustentável das oportunidades empresariais que o Rio São Francisco e a Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Marituba e a desconhecida Zona Rural do município oferecem, entre outros.

Pela sua história e tradição, pela importância do Penedo na história do Brasil Colonial e na história universal, a cidade pode desenvolver, a partir de um projeto cultural sólido, concebido a partir do resgate de tradições seculares e do atual potencial artístico material e imaterial, o turismo cultural que é uma das maiores fontes de faturamento do mundo. Basta voltarmos os olhos para a Europa, onde a história da humanidade, a cultura, o patrimônio arquitetônico e cultural são o chamariz para a região mais visitada do planeta.

A outra vertente é a educação. Penedo dispõe de redes de ensino, municipal, estadual e privada de fazer inveja a qualquer cidade desse estado. De Moxotó a Maragogi, de Piaçabuçu a Estrela de Alagoas, poucas cidades alagoanas têm a estrutura educacional de Penedo. Por que não transformar essa cidade em um pólo educacional, uma Cidade de Estudantes?

Temos a maior escola do interior do estado de Alagoas: o Colégio Estadual José da Silva Peixoto, superada apenas pelo complexo CEPA em Maceió, que reúne várias escolas. A Universidade Federal de Alagoas – UFAL é uma realidade. Há trinta e oito anos dispomos da Fundação Educacional do Baixo São Francisco Raimundo Marinho, revigorada pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Faculdade de Ciências Jurídicas de Alagoas e estamos na iminência do início das obras do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia, antigo CEFET, que em um futuro breve será transformado em universidade. Há idéias em gestação para a instalação da Universidade de Ciências da Saúde – UNCISAL, da Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL e já contamos com a presença das faculdades à distância, além do Centro de Educação Integral e Aplicada Don Jonas Batinga.

Na rede particular de ensino temos o Colégio Diocesano de Penedo, uma das mais tradicionais instituições de ensino do estado, por onde passaram figuras eminentes da história de Alagoas; o Colégio Imaculada Conceição, Cooperativa Educacional de Penedo-Coopepe, Escola Sagrado Coração de Jesus, Escola Jean Piaget, Escola São José, Escola Pingo de Gente e inúmeras outras entidades educacionais que engrandecem a nossa cidade.

Não se poderia então transformar Penedo em um centro de formação da mão-de-obra tão carente em nosso país e principalmente em nossa região, interferindo na economia e gerando progresso para a nossa cidade?

Infelizmente, temos acompanhado ao longo dos anos por parte dos nossos governantes a execução de uma política que confunde crescimento com desenvolvimento. Os gestores públicos em suas administrações, o empresariado e a sociedade vêm realizando ações de forma lírica, sentimental, desprovidas do senso de realidade tão comum nos dias atuais.

A modernidade que se precisa imprimir às ações que vão viabilizar o futuro de Penedo é a mesma que vai substituir o explorado e escravizado cortador de cana pela máquina. E dentro de alguns anos, quando isso acontecer, o que será desse trabalhador? Que perspectivas ele tem de sobrevivência? O sonho de que alguém vai cair do céu e implantar aqui uma nova indústria para que ele continue sendo apenas e simplesmente mais um operário? É sonho. Apenas isso: sonho. E sonho mau!

É chegada a hora de produzir uma nova safra em nossa cidade, mas uma safra de trabalho sério, esforço coletivo, decisão política e visão macro que podem estar aliados aos sonhos sim, mas capazes de criar, inventar, discutir, repensar, modificar conceitos pré-concebidos, enraizados e apodrecidos que não se concretizam e têm impedido o progresso de nossa cidade.

Penedo precisa valorizar o seu passado expurgando os males antigos, combatendo os companheiros do ter e do poder, valorizando o ser e o dever e seguindo, confiante, em um futuro à altura de seu título de “Mui nobre e sempre leal”.
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 23/10/2009 12:30

Curtas, Médias e Moduladas

 

O Rei continua nu


Na Idade Antiga, os imperadores mandavam cortar a cabeça dos portadores de más notícias.
Os todo-poderosos e seus cortesãos (os puxas-saco, mesmo!) só aceitavam receber as notícias consideradas auspiciosas.


Na atualidade, esses procedimentos têm se modernizado. Hoje, os portadores de más notícias são os profissionais de imprensa, ou melhor, alguns profissionais e imprensa que não rezam pela cartilha que uns tentam impor pela absoluta incapacidade de aceitar os NÃO ESTOU À SUA DISPOSIÇÃO ou VÁ PRO RAIO QUE O PARTA!


Por isso, e por outras, vemos ainda torturas, assassinatos e em uma menor escala tentativas de intimidação e difamação, algumas sofisticadas, outras atrapalhadas, mas todas criminosas.
É, as más notícias estão só começando.


E o rei, mais do que nunca, está nu, mas, como na lenda, induzido pelos cortesãos a enxergar um manto de fios de ouro que só existe na sua imaginação.

 

Cornubação

 

Nesta sexta-feira tivemos a inauguração do Memorial da Área de Proteção Ambiental - APA da Marituba, considerada hoje o maior berçário do Rio São Francisco, uma iniciativa que pode alavancar o interesse pela região e desenvolver o moderníssimo turismo ecológico que fascina uma fatia considerável dos turistas no mundo inteiro.


Penedo, Piaçabuçu e Feliz Deserto, municípios que estão no entorno da APA deverão, em um futuro breve, unir-se em um processo de cornubação que já foi iniciado e cuja tendência é o aperfeiçoamento, principalmente se as promessas de infraestrutura (pontes, estradas, etc..) forem cumpridas.

 

Eleições em Neópolis

 

O desenrolar do processo eleitoral de Neópolis tem afetado a auto-estima do povo neopolitano. Com a cassação do prefeito eleito e a eleição suplementar adiada por duas vezes, constatamos certa indignação pela fragilidade do sistema e um descrédito crescente nas instituições.


O processo democrático tem suas vantagens e desvantagens, mas é sempre bom lembrar que é o melhor que podemos ter porque nos garante o segundo dos dois bens mais preciosos que o ser humano possui: liberdade (para acertar e para errar).


Neste domingo será realizada uma nova eleição. E o povo é livre para escolher. Bem ou mal. E assim caminha a humanidade!
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 20/10/2009 09:47

Curtas, Médias e Moduladas

Educação

Termina nesta terça-feira (20) o prazo para a inscrição dos candidatos a professor-monitor. Segundo um experiente profissional da área de educação, o governo anuncia seleção de monitores em pleno outubro para dar férias, porque, segundo o experiente professor, o ano letivo (mais um!) está comprometido e não há como recuperá-lo.

Educação 1
O Senado vai analisar uma proposta que torna obrigatória a escola em tempo integral para alunos da rede pública. A matéria está na pauta desta emana.
O questionamento é inevitável: Tempo integral pra fazer o quê?
Faltam professores, bibliotecas, laboratórios, material esportivo, quadras ou ginásios de esportes, recursos pedagógicos indispensáveis para a atuação dos educadores, enfim, o que as crianças e jovens farão na escola em tempo integral?

Educação 2
Também está na pauta do Congresso Nacional uma proposta de modificação do calendário escolar.
Segundo a matéria a ser votada, o início das aulas nas redes públicas de ensino dar-se-á somente após o carnaval.
Houve um tempo em que era assim. Saíamos de férias em meados de dezembro e somente retornávamos às aulas depois do carnaval. Tecnicamente seria uma temeridade avaliar a qualidade do ensino daquela época por absoluta falta de conhecimento, no entanto, basta observar algumas experiências para ter a certeza de que alguma coisa , daquele tempo, não se perdeu. E não era o tempo em que permanecíamos na escola.

Educação 3
Certa vez, ao fazer uma seleção para um evento, solicitei que os candidatos, alguns já universitários, preenchessem um formulário com seus dados pessoais, etc..., etc...
Em uma empresa, ao fazer algum tipo de seleção, nos habituamos a observar os candidatos desde o momento do preenchimento desses formulários e um em especial me chamou a atenção.
Indeciso, ele observava a folha de papel. Suava e girava a caneta na mão em uma demonstração de extrema tensão.
Aproximei-me e perguntei se ele tinha alguma dúvida e se eu poderia ajudar. A resposta me deixou perplexa: - O que quer dizer filiação?
E respondi: - Se eu disser que é o seu pai e a sua mãe você não vai ficar ofendido, vai?

Conclusão

Se os profissionais da educação não começarem a mostrar à sociedade a SITUAÇÃO REAL da educação, todos vão continuar achando que tem jeito e que os anúncios oficiais podem ser verdades.
Para os leigos, principalmente os pais e mães, educação quer dizer filhos na escola.
Quando a criança sai de casa, uniformizada, com os livros embaixo do braço, os pais sentem que sua missão está cumprida.
Professores, educadores, digam a verdade sobre a educação ou nós estaremos empenhando o futuro de nossas crianças!
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 16/10/2009 10:16

Curtas, Médias e Moduladas

O Príncipe e o Governador

 

Cento e cinqüenta anos após ter visitado Penedo, o Imperador Pedro II, que revelou desejar que “deveria ser aqui a capital da Província”, continua beneficiando a nossa histórica cidade.

Aliada à visita do tetraneto real, Sua Alteza Imperial Don João de Orleans e Bragança, a não menos nobre visita do nosso otimista governador Teotonio Vilela Filho deu um novo visual à cidade com a retirada do lixo, mato, entulho e outros elementos da preocupação ecológica do ministro Carlos Minc, trazendo conforto para quem, durante este fim de semana festivo, delicia-se com as maravilhas da cidade Relicário de Arte Barroca e uma certa tranqüilidade para os penedenses que, deveras envergonhados, procuram explicações para o caos.

Se a Alteza e a Excelência nos visitarem uma vez por mês, o povo agradece!

 

Desbravadores

 

Há 150 anos, o imperador Pedro II, vindo da Bahia, entrou pela foz do Rio São Francisco e, a bordo de seu vapor, singrou as águas do Velho Chico em direção à Cachoeira de Paulo Afonso.


Na atualidade, o governador Teotonio Vilela Filho deverá, brevemente, vencer a mesma distância até a cidade de Piranhas.


Só que, ao invés de um vapor, o governador deverá pilotar a motocicicleta, uma de suas paixões, na chamada Estrada do São Francisco.


A estrada ribeirinha do São Francisco, de Penedo até Piranhas, cujo projeto básico está sendo viabilizado pela Diretoria Técnica de Planejamento do DER/AL, deverá ter financiamento internacional.


E o governador quer inaugurar em 2010.

 

Segredo de Justiça (que tudo mundo sabe)

 

Gostei dessa:
"Segredos de justiça são os de família, que não são de interesse coletivo.


Existem interesses políticos que procuram criar Leis para incluir como segredo de justiça os crimes de corrupção, envolvendo políticos.

Desconsideram que o político, ao ingressar na vida pública, tornou seus atos de interesse público, pois representa interesses de um coletivo.

Acima do direito de segredo de justiça, deve estar o direito de justiça para com o povo." (Faxineira Moralista do Brasil)
 

Comentários comentar agora ❯

Postado em 13/10/2009 15:41

Curtas, Médias e Moduladas

Água, o SAAE garante!


O apelo do repórter Luis Carlos de Oliveira feito no programa Lance Livre da Rádio Penedo FM parece ter surtido efeito: limpar a cidade para que os visitantes, pelo menos nesta semana, tenham uma boa impressão.


Nas primeira horas da tarde desta terça-feira um batalhão de trabalhadores avulsos, enxada na mão, retiravam o mato que cobre o entorno da imagem do trevo do Bom Jesus dos Navegantes e, espera-se, façam o mesmo nas diversas artérias da cidade que, de tanto mato, entulho e lixo, estão envergonhando os penedenses.


Nos próximos cinco dias Penedo é anfitriã. São penedenses que literalmente marcam um Grande Encontro de dois em dois anos e participam do show Uma Cidade a Cantar, visitantes convidados e até mesmo turistas que participarão da programação da II Jornada Cultural do Penedo, evento promovido pela Sociedade Cultural Barqueiros do Velho Chico, entre eles o governador, secretários e até o representante da Família Real.


Limpeza, que disfarça o abandono e o desprezo que vitimam a cidade, é o mínimo que a atual administração pode fazer. Vassoura, enxada, bucha e sabão porque água o SAAE garante.

 

Para tarado à solta, corretivo açucarado.

 

Segundo a comunidade de Santa Luzia, o famoso Beco do Açúcar está ficando amargo. Há denúncias de que um homem (homem???!!!) estaria realizando atentado ao pudor mostrando o órgão genital para as mulheres que passam pelo local.


Seria de bom tom, e a polícia deveria ignorar, que um grupo de mulheres se reunisse e arquitetasse um corretivo para o safado.


Meia dúzia de mulheres, que não se assustam com qualquer porcaria à mostra, deveriam dar uma boa sova no indivíduo e deixá-lo amarrado na Praça amargando seu “trauma de infância”. Enquanto a polícia chega, é claro!

 

Se turismo fosse prioridade...

 

A Orla de Penedo é uma jóia lapidada pelo Rio da Unidade Nacional.
A extensa beira-rio e as ilhas que se estendem como braços afetuosos para quem desembarca em suas areias, são o que qualquer empreendedor do setor turístico pode definir como uma mina.


Centenas de pessoas passam domingos e feriados banhando-se nas águas cálidas e tranqüilas do Velho Chico. Nas margens, os inúmeros bares e restaurantes lotam, embora quase sempre tenham que disputar espaço com o lixo acumulado e os freqüentadores suportarem o mau cheiro dos esgotos que correm a céu aberto em direção ao rio.
A Prainha, como é conhecida, é um espaço que em qualquer lugar do mundo já teria recebido um investimento adequado com o mínimo de infraestrutura como banheiros, passarelas, estacionamento, etc...


A Rocheira e a orla do Barro Vermelho seriam, caso tivéssemos a sorte de ter o turismo como prioridade, um espetacular Terminal Turístico com bares, restaurantes, marina e até pequenas pousadas.


E o rio clama pelas lanchas, pelos jet skis, caiaques, jangadas e outras embarcações. Pelo mergulhar de corpos, pelas gargalhadas das crianças e o encantamento dos adultos.


Se turismo fosse prioridade...
 

Comentários comentar agora ❯