Artigos

Suzy Maurício

Suzy Maurício

Psicóloga Clínica com atuação na cidade de Arapiraca

Postado em 04/07/2009 14:43

Luz para todos

A energia para mim é algo fantástico, a maior invenção do homem. Até os 6 anos de idade residindo em sítio, a única luz de que me lembro é a do candeeiro (espalhados pela casa), feitos de zincos, tipo uma caneca e que havia um bico de onde saía aquele fio de algodão que mergulhado no combustível era aceso.

Parecia magia, exalava um cheiro, a luz chegava e a fumaça desenhava as paredes,deixando-as negras, manchadas. Lembro de uma espécie de lamparina que funcionava a gás e era pendurada no telhado, iluminava bem mais, mas só havia uma.

Na primeira infância visitávamos a cidade e nos chamavam à atenção as lâmpadas incandescentes e de todos os tamanhos, os postes, árvores de natal piscando, roda-gigante, etc. Às vezes, à noite, desafiávamos a escuridão e brincávamos em cima da velha camionete CD 10 amarela, no alpendre de casa.

No Cariri, dormíamos ao escurecer, e somente nas noites de lua cheia era feita uma enorme fogueira, colocávamos “tamboretes”, cadeiras de balanço e lá nosso pai lia alguns livros, revistas, contava histórias bíblicas e “causos” das suas aventuras na mata, suas caçadas.
Ao menos a luz cognitiva chegava até o nosso lugar, nas palavras daquele que pouco foi à escola, mas que possuía uma relação íntima com a leitura, apesar de exercer a profissão de comerciante e lidar com animais, algodão, mamona, castanha, milho e feijão.

As notícias chegavam através do rádio, ligado às 5 da matina quando íamos ao curral tomar o leite da teta da vaca, quentinho. A TV só veio quando da mudança para a “cidade” em busca do ingresso escolar, aparelho preto e branco, botões enormes, e nós hipnotizados diante dela. Muitos ainda vivem à luz do velho candeeiro, três décadas passaram e a luz elétrica só chegou ao nosso sítio há um pouco mais de 3 anos, através do Programa Luz Para Todos do Governos Federal, implantado no governo Lula.

Em pequenos povoados a TV é comunitária e o filme visto em praça pública e reúnem humildes moradores: idosos, jovens e crianças de olho brilhante na telinha que mais parece sonho, conhecendo outros lugares e modos de vida jamais imaginados, alimentando sonhos e os impulsionando a olhar o mundo em outra direção, muito além da roça que a chuva traga ou que o sol e a seca não a deixa germinar.

Olhar aquém do velho fogão à lenha, da casa de barro, da água de pote, a água que é outro drama, do nordestino em particular. Não existe água encanada, o açude pode estar a muitos quilômetros dali, ou se perto a água é barrenta, retirada com dificuldade e dividida entre gente e animal, numa disputa que mais lembra a busca do ouro na Serra Talhada.

O Ministro da Minas e Energia, Edison Lobão, chega hoje, 03.07.09, à Arapiraca para inaugurar uma subestação de energia elétrica de 230 KV que se dá mediante esforços do Senador por Alagoas, Renan Calheiros e o Presidente da AMA- Associação dos Municípios Alagoanos e atual gestor municipal da cidade em seu segundo mandato.

No Planalto Central, se reuniram por duas vezes para viabilizar este momento, que na verdade é um pontapé inicial, tendo a quantidade energética aumentada lá para 2011, numa outra etapa de instalação. Um avanço para o Agreste!

Meu pai partiu antes da chegada da luz nas terras que tanto trabalhou para comprar, porém não teve a visão dos fios e postes luminosos rasgando a velha estrada de barro, rumo à civilização.
Meu passo não chega até lá, o coração aperta e adio mais uma vez. Os demais cuidam do nosso lugar. Esperei tanto a luz, mas não fui lá ver esta realização concreta. Talvez deseje encontrar aquela velha fogueira, a luz incandescente dos textos e meu pai por lá.

De repente será melhor guardar aquela velha imagem dos pastos verdes e do gado livre, dos carros de boi, da mandioca que produz farinha, na casa de farinha do meu avô, o imenso pilão, a concha de côco e o inesquecível gosto do feijão (somente com sal) da panela de barro, do fogão à lenha da comadre Jerusa.

Quem sabe um dia, ao lado dos cantadores de viola, não faça uma moda, uma poesia, e cantaremos parafraseando o poeta “só deixo o meu Cariri, no último pau-de-arara...” Ele vai sempre existir no peito nosso, a festa e a moda, faremos quando a água encanada chegar por lá. Vou lá ver o Ministro, agradecer ao Senador e ao Prefeito, e lembrar que a água também tem de chegar!

 

Comentários comentar agora ❯